urlvisit
SELFIE SEM FILTROS

Cláudia Lopes: "A pessoa mais importante na minha vida é o meu marido e, depois, é o meu filho"

Cláudia Lopes: "A pessoa mais importante na minha vida é o meu marido e, depois, é o meu filho"
Cláudia Lopes: "Temos que saber viver num mundo que é sempre pior para as mulheres"
Cláudia Lopes: "Fiz uma promessa a mim mesma: 'Eu não quero ter um filho triste'"
Cláudia Lopes: "A minha mãe disse-me: 'Prefiro morrer de Covid do que viver sem os abraços dos meus netos'"
SELFIE SEM FILTOS convida Cláudia Lopes

Convidada da rubrica SELFIE SEM FILTROS, Cláudia Lopes falou sobre a importância do marido, Marco Braz, e do filho, Simão.

"As pessoas enervam-se com tudo nas redes sociais e ficam muito ofendidas quando as pessoas dizem: 'A pessoa mais importante na minha vida é o meu marido e, depois, é o meu filho'. Há aqui uma razão muito simples que é: tu não podes gostar mais do teu filho do que de quem te ajuda a criá-lo, porque isto de criar uma criança não é tarefa nada fácil e, segundo ponto, acho que o meu filho é uma criança mais feliz se o pai e a mãe forem felizes. Se ele viver num ambiente de felicidade, cumplicidade, carinho, brincadeira, boa disposição, ele vai ser uma criança mais feliz. Acho que as pessoas que vivem em casamentos em que não são felizes, isso traduz-se em crianças com ansiedades, com problemas de integração. Tu não consegues disfarçar", começou por explicar Cláudia Lopes.

Questionada sobre o que mudou nela com a maternidade, a jornalista não teve dúvidas: "Sou melhor pessoa. És melhor pessoa, porque és menos centrada em ti, preocupas-te mais com os outros e isso faz de ti melhor pessoa. Aprendemos a ser outras pessoas, aprendemos uma outra existência, aprendemos a respirar fundo, porque as crianças desafiam-nos... Aprendemos mais com eles do que nos projetamos neles. Agora, acho que é engraçado tu veres coisas nos teus filhos e perceberes que são iguais. Tem ali coisas que tu percebes que são nossas, que são o ADN, que passou para eles, mesmo sem tu perceberes como é que aquilo foi ali parar."

Já durante a quarentena, Cláudia Lopes considera que conseguiu dar ao filho a melhor versão da mãe: "Nós somos melhores pessoas com tempo, com tempo de fazer panquecas, com tempo de fazer bolos, com tempo de cozinhar..."

Sobre a relação com Simão, de seis anos, contou, ainda: "Se estiver doente é mãe, se for para brincar é pai. Quando é preciso conforto, quando é preciso saber que tudo vai correr bem é mãe. A mãe é que está lá para o coaching. Ainda no outro dia, numa conversa por causa das questões da igualdade de género, eu dizia: 'A única missão que tenho, enquanto mãe de um rapaz, é educá-lo bem."

Leia a entrevista, na íntegra, AQUI.