urlvisit

Inês Herédia sobre homossexualidade: "O mais difícil é aceitares-te, tu não queres aquilo para a tua vida"

Redação
Inês Herédia estreia o tema «I Would do it Again»
Inês Herédia: «É difícil representar uma mulher que aceita sofrer»
Inês Herédia lança novo tema criando em plena pandemia
Inês Herédia e a paixão tardia pela música
Inês Herédia assume que foi difícil assumir a homossexualidade

Convidada do "Dia de Cristina", Inês Herédia apresentou, ao vivo, um novo tema, e recordou o momento em que assumiu, perante a família, a homossexualidade.

"Sou atriz e tenho, sempre, imenso medo que me vejam como cantora, mas, de facto, eu tenho este dom", assumiu Inês Herédia, que marcou presença no programa de Cristina Ferreira para apresentar o tema "I Would do it Again", cujo videoclipe retrata duas mulheres que se apaixonaram em plena pandemia.

"Claro que [o amor destas mulheres] tinha que acabar mal. Às vezes, tu vives histórias tão intensas e que valem tanto a pena que, mesmo quando chegam ao fim e as pessoas não ficam juntas, tu voltavas atrás e farias tudo, outra vez, porque sentiste tanto, dançaste tanto e foste tão feliz, que sofrias tudo, outra vez, mas vivias isto. [...] As grandes historias de amor são estas em que tu voltavas atrás e sofrias tudo só para viveres aqueles dez minutos", sublinhou a atriz.

A propósito de amores e desamores, Inês Herédia contou: "É no sofrimento que encontras o outro. A Gabi [Gabriela Sobral] e eu, quando nos conhecemos, quando nos apaixonámos, estávamos as duas a sofrer, por razões completamente diferentes, e é, aí, que tu vês o coração do outro. Quando vês alguém sofrer, a outra pessoa está com as portas escancaradas, tu entras lá para dentro..."

Questionada por Cristina Ferreira sobre o tema da homossexualidade, a atriz confessou que chegou a ter relacionamentos com homens: "Tentei, neguei durante muito tempo [a homossexualidade] e tentei, durante muito tempo, apaixonar-me por homens, - e apaixonei-me por um ou dois -  mas há uma parte que só as mulheres é que têm. Desculpem, homens!"

"Foi muito difícil assumir [a homossexualidade], mais para mim do que para os outros", admitiu Inês Herédia, que pôde, sempre, contar com o apoio da família.

"A única questão que a minha me colocou foi: 'Como é que nós temos uma relação tão próxima e só agora é que a Inês me está a dizer isso?' Eu fiz a parte toda do sofrimento, sozinha, não quis apresentar um problema à família, apresentei uma solução. Disse-lhes: 'É isto, estou feliz, estou com uma pessoa... Achava eu que estava feliz [risos]. Quis apresentar a coisa resolvida, não lhes quis por um problema em cima. A minha mãe só ficou magoada com isso: "Então, estou aqui para quê?' A minha mãe não percebeu por que é que não lhe contei imediatamente. Depois, tivemos essa conversa. Tu também tens de perceber dentro de ti, tens de ganhar força, porque o mais difícil é aceitares-te, porque tu não queres aquilo para a tua vida, tu queres ser fecunda com o amor da tua vida. Poderes ter um filho da pessoa que amas é tudo", afirmou.

Inês Herédia recordou, ainda, a personagem Isabela, que interpretou na novela da TVI "Quer o Destino": "Passei muito mal. Foi uma personagem muito intensa. É muito difícil interpretar uma mulher que aceita sofrer. Ainda é muito complicado para mim falar sobre a Isabela."