Margarida Rebelo Pinto fala sobre problema de saúde: "Vivia num tempo paralelo"

Igor Pires
Conta-me como és - Fátima Lopes entrevista Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto é a jurada convidada
Margarida Rebelo Pinto: «As grandes culpadas do machismo são as mulheres»
Margarida Rebelo Pinto no "Conta-me Como És"
Margarida Rebelo Pinto e Maria João Lopo de Carvalho assinalam Dia Mundial do Livro

A escritora Margarida Rebelo Pinto teve uma conversa emotiva com Fátima Lopes, no programa "Conta-me Como És".

Margarida Rebelo Pinto foi a convidada deste sábado, dia 7, de Fátima Lopes, no programa "Conta-me Como És". Numa conversa franca, a escritora, de 54 anos, abordou o trajeto pessoal e profissional, tendo, por exemplo, recordado que a paixão pela leitura surgiu quando ainda era criança. A partir daí, nunca desistiu do sonho de ser escritora. 

"Sempre gostei muito de ler. Tive muita sorte, porque os meus pais sempre incentivaram muito a leitura. Eu gostava tanto de livros que, uma vez, encontrei livros antigos dos anos 40, livros infantis que eram do meu pai. Estavam rasgados e eu recuperei-os, colei-os para poder ler", revelou.

No decorrer da entrevista, Margarida Rebelo Pinto ainda falou sobre um problema de saúde, uma deficiência cardíaca, explicando como isso a afetou em criança: "Tinha muitas limitações, não podia fazer muitas coisas. Aprendi a viver no futuro, a viver um tempo que ainda não tinha chegado. Eu planeava aquilo que iria poder fazer quando melhorasse. Queria correr, aprender a nadar... Vivia num tempo paralelo. Queria viajar aos 16 anos, ser independente aos 18 e morar sozinha antes dos 25".

Margarida Rebelo Pinto ainda recordou que, na altura do lançamento do primeiro livro, "Sei Lá", em 1998, estava a viver uma fase bastante difícil: tinha-se separado há pouco tempo e vivia sozinha com o filho Lourenço, com três anos de idade, na altura. "Ele era muito pesado, muito irrequieto e eu tinha muitas dificuldades sozinha por causa do meu problema, não podia fazer esforços", relembrou. A obra de estreia acabou por dar algum alento à escritora. 

Aliás, apesar de todas as dificuldades, Margarida Rebelo Pinto considera-se uma mulher sortuda: "Tenho que dar valor à vida, porque tenho muita sorte. Tenho uma família fantástica, um filho extraordinário, vivo do meu trabalho, faço o que gosto. O meu filho é a minha estrelinha".

(Re)veja a entrevista de Margarida Rebelo Pinto, na íntegra, no vídeo.