"Quatro ratazanas viveram uma semana" em casa de Nuno Markl. Locutor relata episódio

Nuno Markl na SELFIE
Nuno Markl: "Decidi entrar na aula de ginástica em cuecas"
Nuno Markl: "Fiz o Robert Downey Jr. dar um salto na cadeira"
A reacção de Nuno Markl à polémica que envolve Sofia Ribeiro
A viagem de Nuno Markl à China

Nuno Markl relatou, nas redes sociais, um momento difícil, ao receber a visita de quatro "inquilinos" indesejáveis.

"Com que então queriam novas do rato, hem? Pois bem. Não era um rato, era uma ratazana. E não era uma. Malta: eram quatro. Quatro ratazanas viveram, uma semana, fechadas, na sala das máquinas de lavar, aqui de casa, e efetuaram destruição, a vários níveis: desde roerem tudo o que apanharam até inundarem a sala - onde as cadelas passam parte do dia - de perigosa urina e fezes. Foi um pequeno grande apocalipse roedor que, ontem, me obrigou a transformar o pátio neste caos de objetos contaminados, que, na sua maioria, terão, hoje, de ser deitados fora (alguém me aconselha uma empresa que recolha tralhas cobertas de xixi de ratazana?)", começou por descrever a situação, mostrando os objetos contaminados.

"Há que dizer, também, que, sim, pelo menos uma delas foi visitar a Cave, derrubou algumas figuras e deixou cocó no meio do display dos Simpsons de Lego (os habitantes da minha pequena Springfield terão, hoje, de ser lavados e desinfetados)", continuou.

De forma a precaver críticas não fundamentadas, Nuno Markl deixou claro: "[...] Mas antes que apareça, aqui, um tolo a berrar 'ah, és contra as touradas mas com os ratos já não te importas', deixem-me explicar: aqui, está em causa a saúde, não só de outros animais - a Flor e a Chiclete - mas, também, de pessoas - como eu ou o meu filho. A urina dos ratos é um viveiro de bactérias capazes de provocar a leptospirose, uma doença gravíssima que mata, sem dó nem piedade. Percebem a diferença? Claro que percebem."

"E lembram-se da minha fúria nas Manhãs da Comercial contra as obras, aqui, no bairro? Essa fúria existe, embora eu não possa impedir ninguém de construir a sua casa, é o que é e eu tenho de viver com isso. Mas como se não bastasse o ruído, o pó e terem-me acabado com a vista, a verdade é que as grandes invasões de ratos, aqui na zona, acontecem, sempre, que uma casa nova é construída e os solos são escavados e remexidos. Por isso, suponho que vá continuar a haver movimentações roedoras, aqui, no bairro, a este nível. As boas notícias é que, com esta casa nova, não há mais espaço para meter casas aqui, e pode ser que - finalmente! - haja sossego", afirmou, lembrando algumas das histórias que chegou a contar aos ouvintes da Rádio Comercial.

Veja, agora, a imagem partilhada pelo locutor, na galeria de fotografias.