TVI

Eunice Muñoz homenageada pela TVI: os testemunhos emotivos de amigos, colegas e admiradores

A TVI quis homenagear Eunice Muñoz pelos 80 anos de carreira, numa cerimónia que ficou marcada pelos testemunhos emotivos de amigos, colegas e admiradores da atriz, de 93 anos.

"Estou deslumbrada. Muito obrigada, por estes anos todos, muito obrigada à TVI. Não sei o que dizer. Nestes anos todos - e são muitos - dediquei-me sempre muito ao meu trabalho, apaixonou-me sempre. Sinto-me muito honrada por tudo o que me dão. Estive sempre de coração aberto para o meu trabalho. Sempre. E ele deu-me muito, muitas compensações. Aqui, na TVI, fui sempre muito feliz. Tive muitas alegrias. Agradeço, a todos. A todos." Foi com estas palavras que Eunice Muñoz agradeceu a homenagem da TVI, estação à qual esteve ligada nas últimas duas décadas.

Luís Cunha Velho, CEO do Grupo Media Capital, começou por destacar a viragem que significou a aposta da TVI na ficção nacional, em 1999, com a novela "Todo o Tempo do Mundo", que contou com Eunice Muñoz num dos principais papéis.

"É uma grande honra estar presente nos 80 anos de carreira da Eunice Muñoz. É extraordinario ver uma atriz que deixa este legado, esta experiência e este sorriso", sublinhou.

Também José Eduardo Moniz recordou com carinho a estreia da atriz na TVI: "Nós estavámos a dar os primeiros passos na ficção e, se não fizéssemos uma coisa com pés e cabeça e com muita solidez do ponto de vista do elenco, ninguém acreditaria em nós, portanto, tínhamos de fazer uma aposta que fosse indiscutível e que passasse para o exterior uma mensagem de ambição, esperança e grande vontade de conquistar um espaço. Para nós, não era só uma questão de eficácia, era uma questão de afirmação, num território que, até então, era praticamente virgem para nós. E ela foi um dos grandes passaportes. Foi o projeto mais emblemático, foi com esta novela que iniciámos a nossa cavalgada na ficção."

Sobre a atriz, destacou ainda: "É uma pessoa muito generosa, que se entrega, de alma e coraçao, àquilo que faz e que se projeta na amizade com os outros. Gosto muito dela, desde sempre, e acho que toda a gente deve ver o seu reconhecimento acontecer em vida. A Eunice Muñoz é do mundo e enobrece quem quer que seja que trabalhe com ela."

Por sua vez, Cristina Ferreira lembrou o último projeto da atriz na TVI, "Quer o Destino", em 2020.

"Foi um trabalho feito com esta fragilidade que vemos hoje, mas a Eunice não deixou de lá estar a 100% e com a mesma vontade. Isto é de quem ama de verdade a sua profissão e de quem, até ao limite, vai dar tudo o que tem para dar. Aos 90 e muitos anos, e depois de 80 anos de carreira, a Eunice continua a dizer que está aqui para aquilo que for preciso. Acho que isso é o que devemos destacar. Vamos continuar a ver a Eunice dentro daquilo que ela quiser fazer. Ao fim de 80 anos, já é a Eunice que decide o que quer fazer, mas é importante termos esta perceção de que tivemos o privilégio de a ter como atriz junto de nós e que a vimos na suas mais diversas facetas. Esta celebração em vida é para a continuarmos a aplaudir e para lhe dizermos 'obrigada'. Nós tentamos celebrar, todos os dias, quem está connosco, agradecemos, várias vezes, do nada, a pessoas que estão connosco. Se nós somos TVI, fazêmo-lo com pessoas como a Eunice e, portanto, faz todo o sentido que, em momentos especiais, essas pessoas sintam que continuamos aqui para lhes agradecer", frisou a apresentadora e Diretora de Entretenimento e Ficção da TVI.

"Mais do que termos a Eunice na TVI, é termos a Eunice no país. É uma vida inteira dedicada à profissão, mas temos de destacar as suas qualidades pessoais - muita gentileza, muita generosidade... Todos nos nesta casa pudemos comprovar a forma como deu palco, como deu a mão e como ensinou, a tantos jovens atores que connosco também nasceram e foram crescendo. E tantas vezes nós falamos dos silêncios da Eunice e da forma como ela os impunha sempre que falava. Provocar silêncios no outro é para muito poucos e eu acho que os grandes provocam-nos esse silêncio, essa vontade de escutarmos mais. Uma atenção que nos é imposta sempre que entram em palco, sempre que falam. Obrigada, por todos estes anos, obrigada, por continuar connosco, por querer continuar. Mesmo com algumas fragilidades, não deixa a paixão, não deixa de estar aqui connosco, de nos dar um bocadinho mais. Nós cá estaremos para acompanhar, todos os dias, tudo aquilo que nos quiser continuar a dar."

O jornalista Júlio Magalhães também marcou presença neste dia tão especial e falou-nos sobre aquilo que sentiu: "Ao lado de uma pessoa como a Eunice Muñoz, sentimo-nos esmagados, ela é enorme. Eu imagino que ela ficará numa alegria imensa com esta homenagem. Este sorriso dela, a forma de ela falar... Identifico-me muito com ela, porque acho que ela tem tudo o que eu gosto numa pessoa. Olha-se para ela e sabe-se que é boa pessoa."

Na impossibilidade de estar presente fisicamente, o Presidente do Conselho de Administração, Mário Ferreira, fez questão de enviar um vídeo com uma mensagem de parabéns e de agradecimento à atriz: "Queria destacar a sensibilidade, a coragem e a generosidade com que abraçou a arte da representação. Enquanto extraordinária atriz, para além de todos os trabalhos, um dos seus maiores contributos para a cultura portuguesa foi a forma como inspirou, inspira, e continuará a inspirar as novas gerações. Estou certo de que o seu legado fará parte do futuro da cultura do nosso país e, em particular, deste grupo de media."

Eunice Muñoz foi, ainda, agraciada com uma obra de arte concebida por Anna Westerlund, que, com as mãos trémulas, leu as palavras que tinha escrito num papel.

"É muito emocionante, para mim, estar aqui. Sendo eu uma pessoa tímida, optei por escrever o que gostava de dizer. A vida é doce. Uma atriz que celebra 80 anos de carreira celebra, certamente, muitas memórias, muitas dores, felicidades, risos, nervos... A vida é desafiante. Sinto-me muito lisonjeada, como mulher, por este convite. É uma enorme responsabilidade, e espero estar à altura. Tentei transmitir, na minha peça, o que estes 80 anos de carreira representam e o que a querida Eunice me transmite. Um palco cheio de personagens, 80 momentos de representação. Uma peça que imaginei simples, despojada, despretensiosa, afetuosa, carismática e leve - caracasterísticas que revejo em si. Uma mulher, atriz, que vive a profissão com paixão e entrega, generosa, que dá a todos nós um bocadinho de si. Espero que se reveja em algumas das personagens neste palco que podia representar a vida, uma vida cheia de historias", começou por dizer a ceramista.

Neste dia tão especial, Anna Westerlund não pôde deixar de recordar o marido, Pedro Lima, que morreu em junho de 2020.

"Tenho de dizer isto. Sei que o Pedro estará cheio de orgulho de nos saber juntas neste momento. Ele era um grande admirador da sua pessoa e do seu trabalho. Fico feliz por, de certa forma, lhe prestar esta homenagem. Obrigada, à TVI, pelo convite, e obrigada, a si, Eunice", agradeceu.

A cerimónia contou, ainda, com a presença de Júlio Isidro, Rui Veloso, Sofia Grillo, Manuela Maria, Hugo de Sousa, José Alberto Carvalho, Nuno Santos, Hugo Andrade, entre outros elementos da Direção e da Administração da Media Capital.

Relacionados