Pai de Meghan Markle volta a alimentar polémica

Meghan Markle homenageia princesa Diana, após licença de maternidade
Descubra a alcunha pela qual Meghan Markle e o príncipe Harry tratam Archie
O momento ternurento em que o príncipe Harry ajeita o cabelo de Meghan Markle em público
Meghan Markle e o príncipe Harry reúnem com viúva de Nelson Mandela
Príncipe Harry e Meghan Markle em visita oficial a África - 6.º dia

Thomas Markle voltou a dar cartas à imprensa, para mais um desfecho na polémica relação com a filha, Meghan Markle.

Já há mais um capítulo na história entre Thomas Markle e o casal real britânico. É que depois do Príncipe Harry ter emitido um comunicado, no qual atacou ferozmente a imprensa britânica, acusando os jornalistas de fazerem bullying contra a mulher, Thomas Markle decidiu que tinha uma palavra a dizer. O pai de Meghan Marjkle justificou o porquê de ter concedido à imprensa a carta que recebeu da filha, na qual Meghan pedia ao pai para que parasse de espalhar mentiras acerca dela, sublinhando o quão dolorosas eram as suas ações. 

"Decidi publicar partes da carta, por causa de um artigo da revista People dos amigos da Meghan. Tinha de me defender [...] Na carta não parecia amar-me. Achei que me magoou... quando abri, estava à espera do sinal de paz que tanto esperava. Estava à espera de algo que estaria no caminho da reconciliação. Em vez disso, foi profundamente doloroso. Fiquei tão devastado que não consegui mostrar a mais ninguém - e nunca o teria feito, se não tivesse sido sido o artigo da People", disse Thomas Markle, em declarações ao Daily Mail.

Recorde-se que, no comunicado, o príncipe Harry teceu as seguintes palavras: "O meu medo mais profundo é que a história se repita. Já vi o que acontece quando alguém que amo chega ao ponto de já não ser tratada ou vista como uma pessoa real. Perdi a minha mãe e agora vejo a minha mulher a ser vítima das mesmas poderosas forças".

"Infelizmente, a minha mulher tornou-se uma das últimas vítimas da imprensa sensacionalista britânica, que organiza campanhas contra as pessoas sem pensar nas consequências. Uma campanha cruel que aumentou durante os últimos anos com a gravidez e o nascimento do nosso filho bebé", acrescentou.