Realeza

Rainha Isabel II: os planos para o funeral da monarca britânica

A morte da rainha Isabel II, hoje, aos 96 anos desencadeia a chamada "Operação London Bridge".

com Lusa

Planeada há décadas, os detalhes da "Operação London Bridge" foram revelados ao longo do tempo por alguns meios de comunicação, embora os planos oficiais continuem por anunciar.

A tradição manda que a notícia seja objeto de uma "Notificação Oficial" da morte nos portões ou num cavalete, como tem sido feito mais recentemente nesse tipo de anúncios, e a página eletrónica da família real em cores de luto, com uma declaração a confirmar o óbito.

As bandeiras nacionais nos edifícios públicos serão colocadas a meia haste, os sinos das igrejas soados e o Parlamento britânico, em Londres, e as assembleias regionais da Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte suspensas.

Os planos ainda estão por publicar mas, de acordo com o que se sabe, a primeira-ministra, Liz Truss, deverá fazer uma comunicação ao país e encontrar-se com o novo Rei, Carlos, cujo título oficial ainda está por determinar.

O corpo de Isabel II será transportado do Castelo de Balmoral, na Escócia, onde morreu, para Londres por comboio ou avião para o Palácio de Buckingham, de onde seguirá depois pelas ruas de Londres para o Palácio de Westminster, onde ficará em câmara ardente durante três dias.

O dia do Funeral de Estado, na Abadia de Westminster ou na Catedral de São Paulo, deverá ser declarado Dia de Luto Nacional e dois minutos de silêncio observados por todo o país.

O corpo será então transportado em desfile em Londres e em Windsor, onde será finalmente sepultado no Castelo de Windsor, na Capela em Memória do Rei Jorge VI, junto ao pai.

O retrato da Rainha em locais públicos terá uma fita preta durante o período de luto de um mês antes de ser trocado por um retrato do novo Rei.

As flores depositadas nos palácios reais e em redor de edifícios públicos serão removidas após o funeral de Estado.

Relacionados