urlvisit

Catarina Furtado: "Recebi um vídeo que me transtornou. Ao ponto de vomitar"

Catarina Furtado na SELFIE
Catarina Furtado declama poema
Catarina Furtado adere ao movimento "Vermelho em Belém" com apelo emotivo
As férias paradisíacas de Catarina Furtado
Catarina Furtado e João Reis em viagem pela Escócia

A apresentadora Catarina Furtado não se mostrou indiferente a um vídeo que lhe foi enviado, através do WhatsApp.

Recorrendo ao Instagram, Catarina Furtado partilhou a indignação, perante os ataques do grupo Daesh na região de Cabo Delgado, Moçambique.

"Recebi um vídeo, enviado por WhatsApp, que me deixou profundamente transtornada. Ao ponto de vomitar. Foi há dois dias e conto-vos hoje, não sei bem porquê. Não tive ainda tempo de me concentrar em fazer algo por não ser capaz de nada fazer", começou por afirmar a apresentadora, de 48 anos.

Catarina Furtado garante que a calamidade que está a acontecer em Cabo Delgado tem "a ver connosco": "Enquanto Humanidade partilhada, é absolutamente obrigatório querermos saber e ficarmos indignados, chocados, comovidos. Recolhermos as informações necessárias para que possamos agir. Centenas de mulheres e de crianças decapitadas. Filhos a assistirem ao assassinato das mães, algumas com bebés às costas. Homens mortos sem pestanejar. Infraestruturas totalmente destruídas."

"A religião está a ser, mais uma vez, instrumentalizada. A comunidade islâmica moçambicana já veio afirmar que não tem nenhuma responsabilidade, em relação a estes violentíssimos ataques. As armas utilizadas vêm de fora do país. Interesses económicos, manifestações de poder, insurgência. Estão a ser utilizados fatores sociais e políticos, económicos e religiosos, para o recrutamento de jovens. A comunidade internacional tem de se impor. Cada um de nós tem de se fazer ouvir!", acrescentou a Embaixadora de Boa Vontade do Fundo das Nações Unidas para a População.

"Nunca conseguiria mostrar-vos o vídeo que recebi, mas precisava que todos o vissem… Façamos o que temos de fazer! Exigir a paz. Desde 2017, já morreram mais de 2.000 pessoas e cerca de 700 mil foram obrigadas a deslocar-se", completou Catarina Furtado.