urlvisit

Ana Rocha de Sousa chora morte: "Que saibas, sempre, do meu amor por ti"

Ana Rocha na SELFIE
Ana Rocha de Sousa: “’Listen” é um filme que quer dar voz a quem é excluído”
“Listen”: Marcelo esteve na antestreia e elogiou o filme de Ana Rocha de Sousa
Antestreia de "Listen", de Ana Rocha de Sousa, conta com Marcelo Rebelo de Sousa na plateia
Ana Rocha de Sousa venceu quatro prémios em Veneza: "Do sonhar ao acontecer é um grande passo"

Através das redes sociais, a realizadora Ana Rocha de Sousa deixou uma mensagem emotiva, à qual os seguidores não ficaram indiferentes.

Ana Rocha de Sousa está a atravessar uma fase difícil, a nível pessoal. Através do Instagram, a realizadora, de 42 anos, lamentou o falecimento da avó.

"Nascemos. Vivemos. Morremos. Perdi a minha avó. Sabia que esse dia ia chegar. Sabemos todos. Mas não sabemos. Achamos que sim, que é natural. Que faz parte. A morte dos nossos mata-nos. Mesmo quando é suposto ser natural. Perdi a minha avó. Mas, muito antes disso, ela pensou ter-nos perdido a nós. Sem entender que o mundo mudou radicalmente, devido a um vírus qual guião série Z", começou por desabafar Ana Rocha de Sousa, na legenda de uma série de fotografias antigas da familiar.

De seguida, a artista teceu rasgados elogios à "preciosa avó": "O rosto da coragem. Absolutamente à frente do seu tempo. A elegância. No estar. No vestir. No ser. No escolher. Tudo. Mulher de força. Não precisava de falar. Aniquilava corações, só de passar. Respirava bom gosto. Sempre linda, nem que fosse para ir ao pão ou ver o correio. Uma mulher a quem levaram tudo. Mulher que, quando todos fugiam da guerra, teimava firme para defender o que era dela. A última a baixar os braços. Fez frente a homens armados. Sem medo. Mulher incrível, que intimidava quem a olhava nos olhos. Brava mais brava, não havia. Bela e brava. Não lhe faziam frente. Teimosa. Séria. Linda. Era vê-los a tombar e outros a cair. Não lhes ligava. Amou o meu avô. História de filme, naquele tempo. Até ao dia em que perdeu um filho, o meu tio. O seu maior amor, a sua maior dor. Quando, um dia, lhe bati à porta, sem aviso, assim que me viu... sentiu. Como ia ela sobreviver à morte de um filho? Mulher fortíssima. Nunca mais foi a mesma. Nenhum de nós. Seguiu sobrevivendo. Vivendo também, muito por nós. Uma força da natureza que ficou mais calada. Sempre forte. Frontal."

"Ri-me tanto, mas tanto, ao longo da vida, com ela. Genial, na sua graça séria. Dizia o que achava, na elegância que tinha. Eu, o meu irmão e os meus primos, morríamos de amor por ela. Todos. Era épica. Única. Cinematográfica. Sem esforço nenhum de ser. Anos a fio diziam que era igual à Amália Rodrigues. E foi. Tão parecida ao ponto de lhe pedirem na rua para cantar. Porém, tinha um brilho só dela. Absolutamente dela. Parava lugares, ruas inteiras, cidades. E quem não acredita é porque nunca a viu passar. O mundo literalmente parava só para a ver passar. A minha filha chama-se Amália por ela. Por ela. Onde quer que estejas... Que saibas, sempre, do meu amor por ti."