Carlos Costa: "Vivo, desde os 15 anos, rodeado de pessoas que só me querem sugar, extorquir"

Carlos Costa mostra-se indignado nas redes sociais
Carlos Costa recorda pai: "Ele, infelizmente, partiu, mas feliz"
Carlos Costa anuncia mudanças: "Consegui usar esta quarentena para curar certos pensamentos"
Carlos Costa recorda pai com imagens de infância
Carlos Costa removeu o órgão sexual? O cantor esclarece

Indignado, Carlos Costa comentou o estado do mundo, desabafando sobre as notícias que têm estado em destaque e, ainda, sobre os momentos difíceis que tem vivido, nos últimos tempos.

"Não quero parecer revoltado com o mundo. Tenho, inclusive, encontrado alguma paz interior no meio da maior dor que senti nos últimos tempos. Mas, cada vez mais, tudo me parece uma palhaçada", começou por escrever, nas redes sociais.

Em seguida, Carlos Costa enumerou as notícias que o têm revoltado: "Explosões megalómanas no Líbano. Reis eméritos que fogem à justiça, depois de roubarem o dinheiro dos contribuintes (não nos esqueçamos que Espanha é União Europeia. A União Europeia somos nós). Aplicações de 'Control Covid', em que cedemos os nossos dados pessoais. [...] Músicos que se aproveitam desta crise, para tentarem chegar a cargos de poder político..."

"Quanto mais vejo e oiço, mais quero desaparecer", acrescentou.

"O mundo está uma vergonha! Tenham vergonha, caramba! Comecem a dar valor à bondade, aos gestos, à simplicidade. Haja amor. Chega. Estamos a morrer, aos poucos", continuou.

Em seguida, o cantor falou sobre a morte do pai, que se deu recentemente e de forma inesperada: "Este Covid mais parece uma anedota. Perdi o meu pai, que esperava uma consulta, num hospital privado! Privado e pago a peso de ouro! Não há consultas! Não conheço ninguém com Covid. Morreu com pequenos alertas de possível instabilidade cardíaca, à espera de serviço médico pago!"

"O número mundial de óbitos destes meses é insólito. Nem 2% se deve a este vírus que nos priva de viver! Estão a tirar-nos as vidas", referiu.

"[...] E não ficarei calado, quando tiver de falar. Embora saiba que esse não é o meu papel e que me foi roubada a possibilidade de trabalhar. De cantar. De representar. De dançar. De entreter, com um sorriso no rosto. De fazer o que mais amo. Vivo, desde os 15 anos, rodeado de pessoas que só me querem sugar, extorquir. Fazer pouco da minha 'maneira' de ser e atirar-me para um canto, como um palhaço de camarim", desabafou.

Veja, agora, na galeria de fotografias, a partilha completa de Carlos Costa.