urlvisit

Mulher de Luis Sepúlveda escreve poema de despedida ao escritor: "Éramos tão felizes, meu amor"

Luís Sepúlveda e a "história de um caracol que descobriu a importância da lentidão"
Morreu o escritor chileno Luis Sepúlveda depois de um mês internado com Covid-19
José Luís Peixoto reage à morte do escritor chileno Luís Sepúlveda
“Sepúlveda não tinha o Nobel, mas era tão lido em Portugal como Gabriel García Márquez”
Luís Sepúlveda, infetado com coronavírus, contactou com centenas de pessoas em Portugal

O escritor Luis Sepúlveda faleceu, vítima de coronavírus.

Foi na quinta-feira, dia 17 de abril, que faleceu Luis Sepúlveda, aos 70 anos, vítima de coronavírus. O autor encontrava-se internado no Hospital Universitário Central das Astúrias, em Oviedo, em Espanha.

Para prestar uma sentida homenagem a Luis Sepúlveda, a mulher do escritor, Carmen Yáñez, decidiu dedicar-lhe um poema de despedida, publicado no jornal "El Comercio".

Aliás, de acordo com esse jornal, o próprio romance de ambos podia render um bom livro: Luis Sepúlveda e Carmen Yáñez casaram-se duas vezes: a primeira, no Chile, em 1971, e a segunda, em Gijón, em 2004, após terem estado mais de 20 anos sem se verem.

Eis o poema, escrito por Carmen Yáñez, na íntegra.

"Ignorantes de la luz que circundaba la inocencia

éramos tan felices amor mío

con el calor de nuestras manos juntas

cruzando todos los caminos

y riéndonos de los obstáculos de piedra o granizo

que nos intentaban parar esa carrera irresponsable de la felicidad.

Éramos tan felices

y no nos enterábamos de la dimensión de la vida.

De la invisible amenaza, de la larga sombra del miedo,

no lo sabíamos nosotros, irreverentes.

Amándonos con proyecciones de futuro.

Hoy ya no pienso más allá de mañana cuando espero

tu prueba de vida dicha por otros".