urlvisit

Ao lado de Meghan Markle, príncipe Harry segue os passos da mãe numa visita a Angola

com Lusa
Meghan Markle e príncipe Harry são estrelas da estreia europeia de "Rei Leão"
Príncipe Harry fecha negócio de 1,2 milhões de euros na Bolsa de Valores
Príncipe Harry na 118.ª da final da taça da Rugby Football League
Príncipe Harry visita crianças hospitalizadas
Príncipe Harry no concerto Sentebale, em Londres

O príncipe Harry inicia uma visita a África na segunda-feira que inclui no roteiro Angola, onde vai percorrer um antigo campo de minas terrestres visitado há 22 anos pela mãe, a falecida princesa Diana, e encontrar-se com o presidente, João Lourenço.

A escala em Angola começa no final do dia de quinta-feira, quando o príncipe Harry viaja para o sudeste de Angola, para Dirico, onde vai passar a noite num campo de desminagem da organização britânica Halo Trust. É na província do Cuando Cubango que a Halo Trust iniciou, recentemente, um projeto financiado em 60 milhões de dólares (54 milhões de euros) para a remoção de minas terrestres deixadas durante a guerra civil (1975-2002).

O objetivo é limpar 153 campos minados dentro dos parques naturais de Mavinga e Luengue Luiana para proteger a vida animal, mas, também, libertar terrenos para o uso das populações locais e permitir o desenvolvimento de atividades como o ecoturismo.

Na sexta-feira, o príncipe Harry vai inaugurar um novo segmento do programa Queen's Commonwealth Canopy, uma rede internacional de florestas destinada a facilitar a passagem de animais selvagens, para aquela zona do bacia do rio Okavango, partilhada com a Namíbia e o Botsuana, cuja apresentação terá a presença de membros do governo dos três países.

A etapa seguinte, segundo um comunicado da casa real britânica, vai ser a mais "significativa e comovente" para o príncipe, cujo título oficial é Duque de Sussex. Harry vai visitar no Huambo uma zona antes ameaçada por minas terrestres, cuja campanha para limpeza a princesa Diana ajudou ao deixar-se fotografar em 1997, atraindo a atenção mundial para o problema. Atualmente, alguns destes campos têm escolas, lojas e casas, resultado das operações de desminagem da Halo Trust e de outras organizações, financiadas, parcialmente, pelo governo britânico.

Durante a visita, o príncipe Harry vai conhecer algumas das pessoas que contactaram com a mãe há 22 anos, nomeadamente a atual governadora da província, Joana Lina, e um membro dos trabalhos de desminagem, Valdemar Gonçalves Fernandes. Vai, também, visitar o Centro Ortopédico do Huambo, que vai passar a chamar-se Princesa Diana, antes de viajar para Luanda.

No sábado, o príncipe Harry será recebido pelo presidente angolano, João Lourenço, no palácio da Cidade Alta, e, depois, vai visitar a maternidade do Hospital Lucrécia Paim para conhecer a campanha "Nascer Livre para Brilhar", que visa reduzir a transmissão do HIV/Sida entre mãe para filhos.

Apesar de a visita a África ser feita a pedido do Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico, nem o governo de Boris Johnson nem o palácio real tornaram públicas as motivações políticas para a viagem a Angola. No ano passado, Boris Johnson, então ministro dos Negócios Estrangeiros, deu conta do interesse de Lourenço em aderir à Commonwealth, mas a organização continua sem receber um pedido formal e não vai estar representada na comitiva. Na altura, disse, também, que esperava receber o presidente angolano no Reino Unido "em breve", mas continua sem ser conhecida uma data.

A visita a Angola acontece ao quarto dia do itinerário de dez dias, que começa na segunda-feira na Cidade do Cabo, África do Sul, onde vai chegar acompanhado pela mulher, Meghan Markle, e pelo filho, Archie, seguindo-se um programa de três dias de visitas a organizações e iniciativas relacionadas com os direitos da mulheres e crianças, o combate ao racismo, a defesa do ambiente e o apoio à saúde mental.

Na quarta-feira, o príncipe Harry, segue sozinho para o Botsuana, enquanto que a duquesa de Sussex prossegue, na África do Sul, uma série de compromissos oficiais. Na região do Chobe, no Botsuana, onde existe um grande parque natural, vai promover a colaboração com os países vizinhos Namíbia, Zâmbia e Zimbabué no âmbito do Queen's Commonwealth Canopy, para promover a circulação de animais selvagens.

Depois de visitar Angola, Harry vai estar, ainda, três dias no Malaui, antes de regressar à África do Sul, onde, em conjunto com Meghan Markle, vai encontrar-se, na quarta-feira, com a antiga primeira dama Graça Machel, concluindo a visita com uma audiência com o presidente Cyril Ramaphosa.

Segundo o palácio de Buckingham, "o amor do Duque de Sussex por África é bem conhecido. Ele visitou o continente, pela primeira vez, aos 13 anos e, mais de duas décadas depois, as pessoas, a cultura e a vida selvagem, bem como a resiliência das comunidades continuam a inspirá-lo e motivá-lo".