urlvisit

Joana Diniz, do "Big Brother", assume "enorme problema" e desabafa: "Pergunto-me onde falhei"

Joana Diniz na SELFIE
"Big Brother". Iury critica Joana Diniz: "Como é possível ainda haver comentários destes?"
"Casa dos Segredos": Joana Diniz mostra amiga que lhe "salvou a vida"
Joana Diniz celebra 1.º aniversário da filha
Joana Diniz revela 20 factos desconhecidos

A ex-concorrente do "Big Brother - Duplo Impacto" Joana Diniz abriu o coração, nas redes sociais.

Joana Diniz recorreu ao Instagram para fazer um balanço, em forma de desabafo, sobre as decisões que tem tomado: "Pergunto-me onde falhei, o que faltou, porquê e porquê... Tenho este enorme problema, assumidíssimo, de pensar demais. Penso antes, durante e depois. Questiono todas as minhas escolhas, o que poderia ter feito de diferente, que palavras poderia ter trocado, que atitudes poderia ter emendado."

"Coloco-me no lugar do outro, tantas vezes quantas forem necessárias, e, quando não encontro as respostas, demoro até encontrar a minha paz. Tenho sempre a consciência de que há muito a melhorar, que podemos sempre aperfeiçoar e, se há coisa que me inquieta, é esta incerteza das coisas, estas dúvidas, em relação a mim e aos outros", acrescentou a ex-concorrente do "Big Brother - Duplo Impacto", na legenda de uma fotografia, na qual surge com uma expressão séria.

Joana Diniz considerou, ainda, que tem uma "mente inquieta": "Gosto de estar bem comigo e com os meus e, quando as situações mudam, sem que eu consiga perceber porquê, abala-me de uma forma que me consome. Nem sempre agimos de uma forma intencional, e, até, podemos acabar por magoar os outros, mas gosto de o saber. E, embora tenha uma mente inquieta que, às vezes, se pode tornar um verdadeiro tsunami, a minha preocupação é saber que não falhei com ninguém, pelo menos de forma deliberada... E sentir que pessoas de quem gosto se vão, sem um porquê, encolhe-me, por dentro. Sei que nem toda a gente é de ficar, aliás, a grande maioria é temporária, mas, sei lá... dói-me. Pelas partilhas, pelo afeto, pela conexão... e por tantos outros fatores que não posso controlar. Gosto de guardar pessoas, na minha vida, e, mesmo que deixem de fazer parte do meu quotidiano, preciso de tudo explicado. Preciso de perceber tudo, preciso de deixar um ambiente saudável e de guardar as coisas bonitas..."

"Outro defeito. Tenho noção de que sou a personificação de intensidade, que prende e afasta, na mesma medida, tenho noção de que as minhas palavras são, muitas vezes, um choque, precisamente pela intensidade que lhes dou. Tenho noção de que sou toda uma bagunça embutida num corpo, mas não há nada que me incomode mais do que vazios, quando não sobra nada...", terminou.

Veja, agora, a imagem partilhada por Joana Diniz, na galeria de fotografias que preparámos para si.