Joana Amaral Dias quebra silêncio sobre morte do pai

Joana Amaral Dias e o pai, Carlos Amaral Dias

Após a morte de Carlos Amaral Dias, Joana Amaral Dias avançou com as informações sobre as cerimónias fúnebres do pai, e deixou uma mensagem de agradecimento aos seguidores.

"O velório do meu pai realizar-se-á na segunda-feira pelas 18:00h na Basilica da Estrela em Lisboa. Na terça-feira, o funeral começará na Igreja de São José em Coimbra pelas 14.30, seguindo depois para o cemitério da Conchada onde descansará junto dos meus avós", começou por escrever, na publicação que mostra uma imagem da ex-deputada, na companhia do pai, Carlos Amaral Dias.

"Agradeço todas as mensagens de pesar, condolências e apoio. Têm sido centenas e, apesar de não conseguir responder, acreditem que todas contam, todas calam fundo e guardo cada uma. Bem haja", concluiu Joana Amaral Dias

Recorde-se que Carlos Amaral Dias morreu na passada terça-feira, dia 3 de novembro, em Lisboa, aos 74 anos. Carlos Augusto Amaral Dias tinha abandado há cerca de um mês, a seu pedido, a direção do Instituto Superior Miguel Torga (ISMT), à frente do qual esteve mais de duas décadas, sendo designadamente o principal responsável pela afirmação e crescimento do estabelecimento, no qual foi o impulsionador da criação da maior parte das suas licenciaturas.

Amaral Dias foi catedrático da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação de Coimbra (FPCEUC) – onde se doutorou, depois de se ter licenciado em psiquiatria também na Universidade de Coimbra – e foi docente do Instituto Superior de Psicologia Aplicada, em Lisboa, cidade onde manteve durante vários anos consultório médico. Foi presidente da Sociedade Portuguesa de Psicanálise e da Sociedade Portuguesa de Psicodrama Psicanalítico de Grupo, vice-presidente da Academia Internacional de Psicologia e coordenador do Nusiaf (Núcleo de Seguimento Infantil e Ação Familiar) da FPCEUC e dirigiu a Revista Portuguesa de Psicanálise.