José Raposo está de luto

Igor Pires
José Raposo e Sara Barradas na Selfie
José Raposo em modo Pai Natal
Sara Barradas partilha vídeo ternurento da bebé
Sara Barradas e José Raposo aumentam a família
As imagens do Baby Shower da filha de Sara Barradas e José Raposo

O ator José Raposo partilhou um texto comovente no Instagram.

Foi no sábado passado, dia 6, que faleceu João Gilberto. A morte do intérprete foi uma perda para a cultura brasileira, mas também tem comovido fãs de todo o mundo.

É o caso de José Raposo. O ator prestou uma homenagem ao intérprete de "Chega de Saudade" num texto comovente partilhado nesta quarta-feira, dia 10, no Instagram.

"O génio que nos faz passar para outra dimensão quando nos sussurra aos ouvidos ao som místico do seu violão, deixou-nos! E vale a pena lerem esta definição perfeita do seu génio por Francisco José Viegas: “É difícil falar de João Gilberto, que morreu anteontem (1931-2019) - mas é necessário porque a sua voz , o seu violão, a sua teimosia e as suas interpretações são o demónio mais fulgurante da música brasileira do séc. XX. Falo de interpretações porque cada canção é uma canção", começa por escrever José Raposo.

O companheiro de Sara Barradas ainda destaca um dos temas mais célebres de João Gilberto: "Veja-se 'Chega de Saudade', letra de Vinicius, música de António Carlos Jobim (tal como a genial “Garota de Ipanema”) - é boa, muito boa. Mas foi João Gilberto que a transformou em batida, harmonia, harpejo e voz da música brasileira, muito para lá da bossa nova. Preciosista, João Gilberto? Não. Obcecado até ao pormenor, ao mínimo voo de insecto que pode prejudicar a sua melancolia. Voz mansinha, falada. Tom de sussurro. Na verdade, Gilberto é um monumento inesquecível e obstinado; foi graças a essa obstinação que tudo aquilo que criou, no mundo da música, do samba ao jazz (e volta), tem a marca de um génio que nada demovia. Na música brasileira não há talento tão influente como ele. Gilberto levou para as canções uma doçura especial."

"Estamos de luto por vários dias; depois, diremos: chega de saudade", termina José Raposo.