Bebé com doença rara gera onda de solidariedade entre figuras públicas

Maria emociona-se com história de bebé com doença rara
Matilde sofre de uma doença rara: Atrofia Muscular Espinhal
Vamos ajudar a bebé Matilde

A história da pequena Matilde, que sofre de uma doença rara, não tem deixado ninguém indiferente e já criou uma onda de solidariedade entre as figuras públicas.

Os pais da bebé estiveram à conversa com Manuel Luís Goucha e Maria Cerqueira Gomes, no programa "Você Na TV", ganhando, assim, a possibilidade de tornar pública a história dramática da pequena Matilde, que, com apenas um mês e duas semanas, foi diagnosticada com atrofia muscular espinhal de tipo I, a forma mais grave desta doença.

Ao tomarem conhecimento da situação, várias foram as figuras públicas que se manifestaram para a apoiar a bebé e, claro, a família, tendo em conta que os medicamentos necessários para combater a doença custam mias de um milhão e 700 mil euros.

Tássia Camaro teceu, na página de Facebook, as seguintes palavras: "Nós, seres humanos, somos irmãos. Matilde precisa da minha ajuda, da vossa ajuda para ter uma qualidade de vida melhor. Não nos custa nada ajudar. Perdemos tanto tempo nas redes sociais, mas neste caso não é perder e sim ganhar, ajudando com o que podemos. Estou a fazer a minha parte. Obrigada."

O jornalista Bruno Caetano também se juntou à causa, escrevendo: "Todos juntos pela Matilde."

Já Manuel Luís Goucha recorreu às redes sociais, depois do programa, para voltar a apelar: "Esta é a conta que está a receber os donativos: PT50 0035 0685 00008068 130 56 - Caixa Geral de Depósitos. Eu já fiz o meu!"

Pizzi, o jogador do Benfica, também não se mostrou indiferente, e recorre à página de Facebook: "Vamos todos ajudar a Matilde. Esta menina linda tem dois meses e tem uma doença muito rara! Todas as ajudas são importantes. Juntos, conseguimos salvar a Matilde."

"A Matilde precisa de um medicamento de 2 milhões de euros para sobreviver. Tem apenas 2 meses e sofre de atrofia muscular espinhal de tipo I, a forma mais grave da doença. O medicamento só existe nos EUA. Com o medicamento a Matilde sobrevive e até pode ter uma vida normal e feliz. Sem o medicamento não sobreviverá. Não podemos permitir que isto aconteça. Esta é a conta que está a receber os donativos: PT50 0035 0685 00008068 130 56 - Caixa Geral de Depósitos. Eu já fiz o meu", escreveu Sónia Araújo, na página de Facebook.

Também Katia Aveiro se manifestou, mas sublinhando que a responsabilidade de ajudar não é apenas de quem tem muito dinheiro, mas, sim, de todos: "Responsabilidade não é só minha, nem tua, é de todos. Pensei em não partilhar, publicamente, esta triste situação (e que não imagino e peço a Deus jamais para sentir a dor destes pais), mas vou partilhar e, juntamente com a partilha, sublinhar que, só pensei duas vezes, por uma razão muito simples e por favor não façam julgamentos antes de ler até ao final...(ontem, ao ver esta notícia nas redes sociais partiu-me o coração tenho filhos tou grávida e tenho sobrinhos que amo mais que tudo nesta vida) e quem me conhece sabe que já servi de ponte para ajudar, através do meu núcleo, tanta gente noutros casos (e não foi preciso vir a público para alguém saber isso). Vi muitas pessoas, mas quando digo muitas pessoas é mesmo muitas, a dizer enviem para o Cristiano Ronaldo, enviem para a Cristina Ferreira, enfim ...(encheram a minha caixa de mensagens onde o título era esse mesmo (manda ao teu irmão) ele tem e paga...

"Que triste ler e pensar que as pessoas põem uma responsabilidade nas costas de alguém que não tem responsabilidade, só porque tem dinheiro. Sabem porque digo isto, porque se vocês soubessem o que de tristes casos semelhantes há no mundo de famílias devastadas e que diariamente fazem esses pedidos a ele, não falariam dessa forma, a responsabilidade é dele tal como é de todos nós (que vivemos sobre a mesma terra), é daquele que pode dar 1 euro, é daquele que não pode dar nada, mas pode partilhar a notícia, é daquele que ganha mais e pode neste momento despender algo para doar, é do que ganhou uma gorjeta no serviço e pode ofertar aquilo que ele ia tentar poupar este mês, mas mês que vem será melhor se Deus quiser, é daquele que não tem dinheiro mas que tem fé e ora simplesmente a pedir a resolução deste caso ,é do estado é do sistema de saúde é das leis, é do vizinho é de quem torce para dar certo! Eu já fiz a minha parte ,e tu? Fizeste a tua?P.S - Acredito, piamente, que vai dar tudo certo! juntos somos mais fortes !!! P.S: acedam á página da menina que identifiquei na publicação e aí terão todas as informações necessárias", concluiu a irmã do craque.

Pedro Chagas Freitas foi outra figura que integrou a onda de solidariedade, com as seguintes palavras: "A Matilde. A Matilde passa por aquilo por que ninguém, muito menos um bebé, deveria passar. A Matilde sofre com aquilo que não deveria existir. A Matilde precisa de um tratamento de quase dois milhões de euros e eu, como contribuinte, pago para a Matilde, custe o que custar, ter esse tratamento. Já. Imediatamente. Mas não é para isso que o meu dinheiro serve. O Estado salva instituições bancárias, salva — e ajuda a construir — fortunas inacabáveis, salva impérios eternos. Mas não consegue salvar a Matilde. Porque não há dinheiro, dizem. Que pulhice. Os milhões aparecem de todo o lado quando um gestor de um banco tosse. Mas para a Matilde não há dinheiro. Como pai, como pessoa, tenho nojo deste Estado, do estado a que chegámos. Como pai, como pessoa, não consigo imaginar o sofrimento monstruoso pelo que passam estes pais, e quero dar-lhes, por aqui e pessoalmente se um dia puder, o abraço mais apertado que algum dia dei. Como pai, como pessoa, apetece-me chamar de tudo a quem permite que algo assim aconteça. Ladrões, salafrários, cabrões. Mas também não serão essas palavras a salvar a Matilde. O que pode salvar a Matilde é isto: PT50 0035 0685 00008068 130 56 - Caixa Geral de Depósitos (em nome de Matilde Sande). É esse o número da conta para a qual vou transferir, já de seguida, o que posso transferir. Façam o mesmo. E abram os olhos, e façam barulho. Façam-se ouvir. É assim, sempre, por mais que demore, por mais que pareça que não, por mais que o sistema nos queira convencer de que não, que se faz a diferença. Sejamos gente."

Saiba como ajudar a Matilde, AQUI.