Luciana Abreu entrevista dono do stand do carro que vitimou Angélico Vieira

Igor Pires
Luciana Abreu na Selfie
Luciana Abreu na Selfie
Luciana Abreu mostra imagens do aniversário da filha
Luciana Abreu: "Deus põe e tira da nossa vida, na hora certa"
Festa de aniversário de Lyannii, filha de Luciana Abreu
Luciana Abreu no Carnaval do Brasil

A conversa foi divulgada no canal de Youtube de Luciana Abreu, "Quem sou eu? Luciana Abreu Online".

Luciana Abreu apresentou mais uma entrevista do programa "Quem sou eu? Luciana Abreu Online". O convidado desta edição, partilhada neste sábado, dia 6, foi Augusto Fernandes dono do stand do carro que vitimou Angélico Vieira

Precisamente um dos temas abordados na entrevista foi a altura em que Angélico Vieira sofreu o acidente. Antes de questionar o convidado sobre esse assunto, Luciana Abreu sublinhou o desconhecimento das pessoas de todo o sofrimento pelo qual o empresário passou. 

"Não é teu amigo, é teu filho do coração, que tu protegias, que acompanhavas para todo o lado... [...] As pessoas desconhecem, por exemplo, que te incendiaram a casa e que tu tinhas o teu filho lá dentro. São dores que tu foste silenciando, que tu nunca falaste, nunca deste uma entrevista... Sempre te mantiveste em silêncio por respeito e por amor ao Angélico, à família do Angélico e a ti próprio", afirmou Luciana Abreu. "Sentes-te injustiçado?", perguntou, de seguida.

"Muito porque, normalmente, quando conheço alguém eu entrego-me. O Angélico era um filho mais velho que eu tinha ali. E da forma como eu o conheci foi tão intensa que posso dizer que até acho que havia ali ciúmes entre a minha mulher. Ela ligava-me e perguntava-me onde é que eu estava e eu dizia-lhe que estava com o Angélico e ela dizia: 'Estás sempre com o Angélico...'. Não havia horas. O tempo com ele parece que voava. Sinto-me injustiçado porque só tu e muito pouca gente é que sabe, de facto, o que é que me conseguiram fazer. Estou neste silêncio porque como toda a gente sabe ainda decorrem muitos julgamentos, mas tudo será provado como deve ser. E acredito plenamente na justiça. Mas foi muito complicado", respondeu Augusto Fernandes.