urlvisit
SELFIE SEM FILTROS

Ana Arrebentinha apaixonada? "Pela primeira vez, o meu coração está bem"

Ana Arrebentinha apaixonada? "Pela primeira vez, o meu coração está bem"
Ana Arrebentinha: "Os meus pais davam-me 90€ para pagar o curso e houve um mês que não conseguiram"
Ana Arrebentinha: "No Alentejo, ficou a miúda em quem a maioria das pessoas não acreditava"
Ana Arrebentinha: "O meu pai largou-me a mão e foi embora... Ficaram coisas por viver"
SELFIE SEM FILTROS convida Ana Arrebentinha

Convidada da rubrica SELFIE SEM FILTROS, Ana Arrebentinha assumiu-se como uma mulher romântica e apaixonada, e revelou como quer se lembrada.

"Eu sou uma pessoa de paixões, gosto de me apaixonar, mas, depois, dói sempre muito. O amor é uma coisa complicada, é muito complicado arranjares uma pessoa que ame tanto como tu amas, mas acho que temos de ir tentando. [...] Continuo a acreditar muito no amor. O meu coração está bem, estou a viver e estou a viver bem. Pela primeira vez, na minha vida, o meu coração está descansado, e isso é bom. Está quentinho. Quem não sabe, não estraga", começou por referir Ana Arrebentinha.

Questionada sobre se tem sido possível fazer amigos no meio, a comediante revelou: "São poucos, mas é possível, porque tu sentes quando a pele é igual à tua, o toque, as emoções... Não acontece muito, mas, às vezes, acontece. Eu acho que tenho escolhido muito bem as pessoas com quem me dou. Tive a sorte, desde que entrei para este meio, de me cruzar com as pessoas certas." 

No entanto, Ana Arrebentinha não esconde que já sofreu desilusões: "No meio artístico, já [me desilude], mas ainda bem que me desiludi, porque isso, depois, permite, obrigatoriamente, tirares essa pessoa da tua vida."

Já sobre aquilo que mais a tira do sério, a comediante confessou: "Muita coisa… a falta de respeito, as pessoas não ficarem contentes com o teu trabalho, serem más colegas. Tira-me do sério as pessoas serem arrogantes e mal educadas com os outros, independentemente da profissão. Eu chego aqui e digo 'bom dia' e 'boa tarde' a toda a gente, porque sei que, desde o segurança que está na entrada até à senhora que está a limpar as escadas, toda a gente é importante."

Quanto o futuro, os objetivos são claros: "Quero deixar a minha marca na comédia, em Portugal. Quando estou em cima do palco, nada existe, sou aquela pessoa que está em cima do palco e não tem ninguém. Estou inteiramente, para fazer rir os outros. E quero que as pessoas, um dia, daqui a muitos anos - porque eu vou morrer tarde - se recordem e digam que eu fui feliz a fazer rir os outros."