Isabel Silva confessa: "Há uma diferença entre 'estar sozinha' e 'sentir-me só'"

Isabel Silva na SELFIE
Isabel Silva: "Cada vez mais, valorizo a importância da nossa família"
Receita de Natal com Isabel Silva
Isabel Silva entrevistada por Fátima Lopes no "Conta-me Como És"
Isabel Silva é convidada de Inês Gutierrez na "Caixa de Mensagens"

Em quarentena, a apresentadora Isabel Silva viveu, pela primeira vez, a Páscoa longe da família.

Isabel Silva partilhou uma imagem, no Instagram, na qual surge, em topless, na cama, e aproveitou para falar sobre a forma como viveu a quadra da Páscoa longe da família.

"A minha Páscoa é família... e hoje estou sozinha. Mas há uma diferença entre 'estar sozinha' e 'sentir-me só'", escreveu na legenda, convidando os seguidores a lerem o texto intimista que partilhou no blogue: "Quero partilhar contigo o que vai no meu coração."

"Há 15 anos que vivo a mais de 300 quilómetros de distância da minha família. Do meu pai, da minha mãe, dos meus avós, dos meus tios e primos. Sempre fui uma criança de afetos e hoje, como mulher, preciso desse alimento para o meu coração", começa por descrever a apresentadora, antes de assumir: "Por outro lado, e é curioso até, habituei-me de tal forma a viver distante dos 'meus' que, muitas das vezes, só me lembro da falta que eles me fazem quando estamos juntos. Ganhei o hábito de estar sem, o que pode ser perigoso, se não estiver atenta aos sinais. Com o passar dos anos, reflito mais, silencio o que me rodeia para me escutar. E é aí que percebo que grande parte da ansiedade, irritação e melancolia que por vezes sentia - e ainda sinto - vem da saudade escondida dos meus pais. É, por isso, que agora a saudade já não se esconde. Agora já aprendi - porque senti na pele - que os laços têm de ser alimentados com a nossa presença."

Depois, Isabel Silva prossegue na descrição da forma como, antes da pandemia, vivia as quadras festivas em família e confessa: "A realidade é que este COVID-19 desafia as minhas emoções todos os dias. Cada vez mais, à medida que os dias vão passando. E é exatamente neste ponto que está o meu (e o teu) desafio: continuar a manter-me serena e positiva no isolamento . Sei, e todos devemos saber, que é para o bem comum, e isso dá-me mais força. Mas não deixa de ser isolamento."

Ciente de que nem todos têm a serenidade suficiente para viver esta fase sós, a apresentadora, de 33 anos, que é carinhosamente tratada por Belinha prossegue: "Quem já sabe - ou sempre soube - estar sozinho, está bem. Não está num estado de entusiasmo e de felicidade, mas está tranquilo e vê, também, o lado bom deste isolamento que somos forçados a cumprir. Quem sabe estar sozinho tem, seguramente, laços fortes com os outros. Quem sabe estar sozinho já aprendeu a gostar de apreciar o silêncio, de escutar o que pensa sobre si próprio, e sente que está em equilíbrio com o seu eu interior."

Isabel Silva conta como conseguiu aprender a viver sozinha, especialmente após uma separação, há sete anos, e frisou: "É normal estranhar e é perfeitamente normal doer e ter medo. Mas é também nessas alturas que tenho de pensar no porquê de ter feito a escolha de estar sozinha. Afinal, já não sabia estar sozinha, mas pensei para mim mesma 'vou ultrapassar esta 'hora do lobo'', até porque, depois disso, vem o discernimento, a clareza e predisposição para me reencontrar e perceber onde são as minhas zonas de conforto. Minhas, não nossas. E consegui. A partir dali, foi sempre a somar. Ganhei novas rotinas que, hoje, são a base para ultrapassar momentos desafiantes, tristes e traiçoeiros, como aqueles que viemos hoje, por exemplo."

Isabel Silva assumiu que a forma como lidou com aquele momento lhe trouxe maturidade e serenidade para aprender a lidar com os desafios que a vida lhe traz, e confessou: "Gosto, verdadeiramente, de estar sozinha, e gosto verdadeiramente de viver em partilha, em comunidade. Sou feliz a 100% quando sinto que as minhas atitudes contribuem para um mundo melhor, mas para dar e estar com os outros, é preciso gostarmos do que temos cá dentro. Entendes? (...) É importante garantir aquilo que conseguimos controlar e, quanto ao resto, é aguardar e saber dar tempo ao tempo. Porque é o tempo que nos vai curar."

No final, a apresentadora deixa algumas dicas para "sabermos estar sozinhos":
- Desliga o WhatsApp a partir de uma certa hora.
- Não estejas sempre a ver notícias.
- Desconecta-te das redes.
- Não estejas horas e horas ao telefone.
- Não ouças musica a toda a hora.
- Reserva todos os dias um momento contigo. Só contigo. Qual? Isso agora é contigo. Todos temos o nosso. Investe o teu tempo a descobrir, agora que o tens. Faz sentido?