urlvisit

Encontrada uma das mulheres que dava hambúrgueres a Cristiano Ronaldo: "É o campeão da humildade"

Ronaldo: "Mudei de canal para o Cristianinho não ver que falam mal do pai"
Cristiano Ronaldo e Georgina Rodríguez em passeio especial com os filhos
O passeio a cavalo de Cristiano Ronaldo e Georgina Rodríguez com os filhos
Namorada de Cristiano Ronaldo vive "bela manhã" com os filhos
Em robe tigresa, Cristiano Ronaldo protagoniza novo anúncio

Numa entrevista intimista concedida ao jornalista Piers Morgan, Cristiano Ronaldo fez revelações inéditas, entre elas a de que gostava de encontrar as três funcionárias do McDonald´s que lhe davam comida nos primeiros tempos no Sporting.

Uma das funcionárias do McDonald's que Cristiano Ronaldo recordou, recentemente, durante uma entrevista ao jornalista britânico Piers Morgan, já foi encontrada pelo programa "Bola Branca", da Rádio Renascença.

Chama-se Paula Leça e trabalhava no estabelecimento localizado perto do antigo estádio do Sporting quando Cristiano Ronaldo, então com 12 anos e acabado de chegar ao clube leonino, lá ia com alguns colegas.

Paula Leça revela, agora, que já tinha contado ao filho esse episódio, mas que este não acreditava no que lhe dizia. "As pessoas perguntam-me porque não disse nada, mas não me cabia a mim contar. Só a família sabia. Contei ao meu filho, que achava que era mentira, porque a mãe dele nunca na vida poderia ter dado um hambúrguer ao Cristiano Ronaldo. Para ele o Ronaldo é o melhor do mundo e é difícil imaginar que já foi um miúdo como ele. O meu marido também já sabia, foi algumas vezes buscar-me lá à noite e também viu", confessou a mulher, em entrevista ao DN.

Ao ouvir o jogador admitir que passou dificuldades e que gostava de agradecer a quem o ajudou é, para Paula Leça, sinónimo de "campeão da humildade".

Recorde-se que, durante a entrevista a Piers Morgan, do "Good Morning Britain", Cristiano Ronaldo recordou esses tempos de forma emocionada: "Quando era miúdo, com uns 12 anos, não tínhamos dinheiro. E vivíamos juntamente com outros jovens jogadores provenientes de outras zonas do país. Era um período complicado, sem a família por perto. Tínhamos fome e havia um McDonald's por perto. Pedíamos os hambúrgueres que sobravam e uma senhora chamada Edna, mais outras duas raparigas, davam aquilo que sobrava. Espero que esta entrevista ajude a encontrá-las. Queria convidá-las a jantar comigo, em Turim ou em Lisboa. Quero poder devolver aquilo que fizeram por mim. Nunca me esqueci desse momento".