Maria João Costa: "Como é fácil lançar polémicas na Internet e prejudicar a vida de alguém"

Maria João Costa

A autora de "Ouro Verde", Maria João Costa, recorreu às redes sociais para comentar as acusações de xenofobia de que o ator Pedro Hossi está a ser alvo.

"Hoje fui surpreendida por esta história. Por um lado porque o Pedro Rossi é meu amigo há alguns anos, e tendo convivido com ele em diversas circunstâncias e países diferentes, onde nos cruzamos com pessoas de várias nacionalidades, nunca tendo eu notado qualquer tipo de atitude xenófoba da sua parte com ninguém", começou por escrever.

Apesar de sublinhar que não estava presente no momento em que o ator se desentendeu com um turista belga e uma portuguesa, que o acusa de xenofobia, Maria João Costa sublinhou que estranharia que Pedro Hossi alguma vez tivesse tido tal comportamento: "Isto deixou-me a pensar num tema que tem sido reincidente ultimamente: como é fácil lançar polémicas na Internet e prejudicar a vida de alguém com isso. A queixosa, que repete diversas vezes ao longo do seu post e comentários subsequentes, que a sua intenção não era expor ninguém com o post que publicou, acaba por envolver no assunto uma atriz que nada tem a ver com o mesmo, pois nem sequer estava presente quando o dito taxi chegou, e de quem posso falar à vontade, pois nem sequer é minha amiga: a Sofia Baessa. Pois bem, para quem não tinha como intenção expor ninguém, e para quem condenou tanto a suposta má educação e xenofobia do Pedro, acho que precipitar-se desta forma acusando uma pessoa que só aparece depois de tudo ter acontecido (pois a pessoa que estava com o Pedro quando o taxi aparece não era ela, ela só aparece um pouco mais tarde, quando percebe que se passa ali alguma confusão), é de uma injustiça tremenda."

Ainda segundo a autora, a queixosa poderia ter optado por expor o caso nas devidas instâncias: "Tinha ao seu dispor outro tipo de recursos legais para penalizar os mesmos do ocorrido. É para isso que existe uma ordem judicial. Com a sua atitude acabou por responder àquilo que considerou criminoso (o ato de xenofobia), com outro ato de xenofobia (sim, porque as pessoas de cor e com cabelo crespo não são todas a Sofia Baessa ou a Ana Sofia Martins ou o Pedro Hossi - a propósito, ver a campanha que a Ana Sofia lançou à conta disso, por causa do seu tipo de cabelo ser confundido com ela por Portugal inteiro) e difamação. Sim, porque se a queixosa se limitasse a apresentar queixa nas instâncias devidas, não incorria no crime de difamação; mas ao procurar retorno rápido do que supostamente sucedeu (que segundo o Pedro, não passou de um mal entendido: ele terá dito 'Comme'on guy' e ela terá entendido 'Camóne'), foi muito mais giro. Teve um monte de pedidos de amizade, que, como já disse num novo post que publicou, vai recusar, e ainda lhe deu assunto para o dia inteiro com os amigos."

Para encerrar o tema, Maria João Costa afirmou, ainda: "Estou convicta de que vivemos num lugar perigoso onde a mais pequena coisa (e não estou a falar deste caso em particular) pode dar origem a uma campanha difamatória que pode ter um efeito irreversível na vida de uma pessoa. [...] Tenho medo disto, pois está visto que ninguém está a salvo."