urlvisit

Filho de Pedro Barroso despede-se do pai: "Que triste fim, não merecias isto"

Nuno Barroso prestou uma homenagem sentida ao músico Pedro Barroso, que faleceu no dia 16 de março.

Foi no passado dia 16 de março que faleceu Pedro Barroso. Aos 69 anos, o músico perdeu a luta contra uma doença prolongada. 

No Facebook, após o funeral, o filho do músico, o cantor Nuno Barroso, partilhou uma carta de despedida ao pai, em forma de homenagem.

"Eles não sabem nem sonham... Viva quem canta!!! 'Cantarei', A menina dos olhos d 'água... A partir de agora, sempre que possa, irei cantá-los e relembrá-los!! Sempre irei honrar a tua obra e o teu legado, teus valores de Humanidade de nobreza e altivez grandiosa e expressiva! Foi a tua passagem pela vida. Eras um um homem do povo. Amavas a cultura. Amavas a liberdade. A República. Amavas Portugal. E o sonho de construir um futuro, em que o belo e o conhecimento e a sabedoria eram sempre uma condição obrigatória! Semeavas cultura e arte da beleza por onde passavas, ousaste acontecer a poesia e foste um enorme poeta! Tocaste a guitarra e o piano e foste maestro da arte de viver! A música foi um Grande amor, as mulheres fonte de inspiração. Cantaste com amor Portugal, tiveste milhares de fãs espalhados pelo mundo e deixas muita muita saudade aos filhos, netos, familiares e amigos. Portugal está mais pobre... e nós também", começa por escrever o vocalista dos Alémmar, na legenda de uma fotografia na qual surge no funeral do pai, apenas acompanhado por funcionários da agência funerária, todos de máscara cirúrgica, devido à pandemia de coronavírus.

Aliás, o assunto do momento também não foi esquecido neste texto de Nuno Barroso: "Eras um homem que preferia a Lezíria a loucura desenfreada da cidade de Lisboa que te viu nascer. Riachos e o Ribatejo, nossa pátria! Essa onde percorreste com amor a nobreza do amor cavalos, a pesca... Levas simbolicamente as cordas da guitarra contigo! E um cachecol do nosso Belenenses, para o qual fizeste o hino e eu a marcha. Esta altura foi a pior para cerimónias, o nosso querido Ribatejo terá mais tarde a oportunidade de se despedir, agora não foi possível... Que triste fim, não merecias isto... Esta altura em que até nos abraços existe crise...".

"Portugal está mais pobre muito mais pobre... De facto, o processo de vida foi concluído com distinção e, por isso, 'tás de parabéns, enriqueceste quem te conheceu com a tua voz doce, forte e melodiosa que continuará certamente a ecoar em muitos lugares... E eu tenho a herança de uma Pátria despida de amor a si própria... Cantaste a portugalidade e foste poeta tal como Luís Vaz de Camões. Lá perto do castelo de Almourol, o Tejo irá ser eternidade... Foste um amante da educação física e serviste na Marinha, foste professor toda a vida, mas foi a Música que te levou a cantar e a conhecer todo o mundo! O último trovador, António Pedro da Silva Chora Barroso, o maior cantautor português de sempre foi entregue ao eterno. Não merecia estes tempos... nem este adeus, os palcos vão sentir a tua falta, as pessoas também e eu vou sentir falta de ti, pai. Amo-te muito e agradeço a honra de ter sido teu filho. Os aplausos da despedida talvez mais tarde se ouçam... Talvez mais tarde... Obrigado, pai. Até sempre. Saudade do teu filho, Nuno Barroso", termina o músico.