urlvisit

Luísa Castel-Branco confessa: "Assusta-me ficar dependente"

Conta-me
Luísa Castel-Branco vive "tempos de tristeza" e confessa: "O silêncio pesa"
Luísa Castel-Branco: «Os homens devem gastar algum tempo connosco»
Luísa Castel-Branco: «Eu era uma cidadã de segunda, era outro mundo»
Luísa Castel-Branco na SELFIE
Luísa Castel-Branco, no programa "Conta-me"

A escritora Luísa Castel-Branco teve uma conversa emotiva com Manuel Luís Goucha, no programa "Conta-me".

Na emissão deste sábado, dia 27, do programa "Conta-me", Luísa Castel-Branco, de 66 anos, falou sobre a vida pessoal e profissional.

Um dos temas abordados, na entrevista, foi o receio da morte. "Assusta-me mais ficar dependente. Só percebi que isso podia acontecer, quando vi a minha mãe", começou por contar a escritora, referindo-se à progenitora, que faleceu em julho de 2020, após sofrer de uma demência.

Aliás, o falecimento da mãe, em plena pandemia, foi um dos momentos mais difíceis por que Luísa Castel-Branco passou, nos últimos tempos: "A minha mãe morreu no meio do confinamento, o que não deu direito à despedida. No entanto, o que me custou, principalmente, foi o sofrimento em que ela viveu e em que nós vivemos. Pior do que uma pessoa não reconhecer [outra], são os momentos em que reconhece e quer falar e não consegue. [...] A morte ficou mais presente com estes longos anos de sofrimento da mãe."

"Assusta-me ser um peso para os meus filhos. Assusta-me que o Francisco [atual companheiro de Luísa Castel-Branco] parta, antes de mim... Recuso-me a pensar em relação aos meus netos e filhos. Não sou capaz de pensar", acrescentou a escritora. "Quando morrer, espero que possa ver os meus filhos e netos", completou Luísa Castel-Branco.

Veja, agora, a entrevista de Luísa Castel-Branco, no programa "Goucha".