Nacional

Prof. Dr. João Espírito Santo: "Tem medo de ir ao médico dentista?"

Segundo os dados do Barómetro da Saúde Oral da Ordem dos Médicos Dentistas de 2021, 6,4% dos portugueses ainda revela receio de ir a uma consulta de Medicina Dentária.

  • 9 jan, 18:42

As fobias são uma perturbação psiquiátrica frequente, afetando cerca de 9% da população portuguesa. Esta doença caracteriza-se por um medo excessivo, persistente e irracional na presença ou antecipação de um determinado objeto ou situação, e conduz a um comportamento de evitamento ao objeto da sua fobia, condicionando e reduzindo a qualidade de vida dos seus portadores.

Tudo isto apesar dos enormes avanços que a Medicina Dentária tem experimentado nas últimas décadas, em que a busca da perfeição técnica, a par de uma permanente atualização de conhecimentos clínicos, proporciona aos pacientes respostas clinicamente mais eficientes, de melhor qualidade e mais capazes de solucionar os problemas da sua saúde oral. 

Segundo os dados do Barómetro da Saúde Oral da Ordem dos Médicos Dentistas de 2021, 6,4% dos portugueses ainda revela receio de ir a uma consulta de Medicina Dentária.

Os pacientes que sofrem de medo e ansiedade adiam os tratamentos, recorrendo ao dentista, muitas vezes, já em situações limite. Este medo, geralmente, inicia-se na infância ou na adolescência e resulta de experiências dolorosas anteriores, desconhecimento dos procedimentos ou de ideias negativas transmitidas por outras pessoas.

Segundo o artigo "Creating A Relaxed Waiting Area For Your Patients", se a experiência na sala de espera for desagradável, pode aumentar a ansiedade no dia da consulta. Como tal, é importante que a sala de espera seja um local agradável, calmo, para o paciente conseguir estar relaxado. A garantia de que os pacientes estejam confortáveis, calmos e entretidos enquanto esperam não pode ser subestimada.

Outro aspeto muito importante que devemos salientar, é a relação médico-paciente. É uma relação de extrema importância e decisiva na gestão de emoções e sentimentos de medo e ansiedade. Os médicos dentistas estão, cada vez mais, sensibilizados com estas sensações e, cada vez mais, trabalham para atenuar e tornar a consulta numa experiência positiva.

Se tem medo, não hesite em falar com o seu médico dentista. Há pequenos procedimentos que podem ser fundamentais para ajudar a lidar com a ansiedade, como por exemplo:

  • - perceber quais as etapas do tratamento. Para se sentir mais confiante, peça ao seu médico que lhe explique todos os procedimentos que vai realizar;
     
  • - levar um amigo ou um familiar, se isso o faz sentir mais calmo. Em relação às crianças perceber se é benéfico ter a presença dos pais no consultório, ou não;
     
  • - tomar um fármaco, com a devida indicação do seu médico, pode ser aconselhável ou outro tipo de calmante natural, como por exemplo um chá;
     
  • - a música também pode ser relaxante. Hoje em dia, quase todos os consultórios têm música e/ou televisão. Pode ser uma boa ferramenta para o abstrair.

Para além destes procedimentos, existem vários tipos de tratamento farmacológicos  que auxiliam a gestão de sentimentos, emoções, dor, ansiedade ou medo. Aconselhe-se com o seu médico dentista e escolha a melhor opção para si.

Não há motivos para não visitar o seu médico dentista. Não se esqueça que a melhor solução é a prevenção, para que, futuramente, não tenha que realizar tratamentos mais invasivos.

Relacionados

Patrocinados