urlvisit

Liliana Campos desabafa sobre dias difíceis: "Senti que estava órfã"

Liliana Campos na Selfie
Liliana Campos revela decoração de Natal original e assume: "Sou fascinada"
Queda de Liliana Campos "em busca da fotografia ideal" torna-se viral
Liliana Campos festeja Natal com o irmão e a sobrinha
Liliana Campos recorda peregrinações a Fátima

Foi nas redes sociais que Liliana Campos desabafou sobre os últimos dias de um mês que foi, particularmente, difícil para a apresentadora.

"Janeiro é o mês do ano mais triste para mim, desde a partida do meu pai, faz, dia 15, 25 anos. Metade da minha vida foi vivida sem ele. Foi, também, em janeiro que a minha mãe partiu, e eu senti que estava órfã. Uma palavra feia e forte, mas que só a percebemos quando sentimos a dor dessa condição. Esta segunda-feira foi mais um dia que me vai ficar gravado na memória, pelos piores motivos. Dizem que todos temos um mês destes, não faço a mínima ideia se assim o é...", começou por escrever a apresentadora.

"No entanto, três das pessoas que mais amo celebram o seu aniversário este mês, entre elas, o Rodrigo. Vivo, por isso, uma montanha-russa de emoções, porque gosto de celebrar a vida e de surpreender os que mais amo. No ano passado, por esta altura, andava eu numa luta contra o tempo para organizar uma festa surpresa ao Rodrigo", disse, referindo-se ao companheiro, Rodrigo Herédia.

Sobre a festa surpresa para o 49.º aniversário do marido, Liliana Campos contou: "'Mas ele faz 50 anos?!' Foi a pergunta que mais me fizeram. '49!', respondia. '49?! Mas, então, por que é que não fazes esta festa para o ano?! Tinha mais graça aos 50'. Porque não! Quero agora! 'Guardavas o vídeo e, para o ano, convidavas toda a gente!' - insistiram alguns. Não! Quero este ano!"

"E se a teimosia é um dos meus piores defeitos e já me trouxe muitos dissabores, aqui, só posso agradecer por ter metido na cabeça que tudo ia acontecer aos 49 e que, quando fossem os 50, logo, se via... E o que eu vejo é que percebi, há uns tempos, que a festa dos 50 não ia acontecer e, muito pior que isso, não estaríamos cá todos, como estivemos, para celebrar. Tenho pensado tanto nisto, nos últimos dias... Temos mesmo que viver o momento, porque, apesar de continuarmos a pensar que sim, não controlamos nada de nada, e, de repente... de repente, tudo muda...", concluiu.