urlvisit

"O aspeto é repudiante": após ser insultado, Agir responde à letra!

Após receber mensagem ofensiva, Agir responde: "Têm de se sentir bem na vossa pele"
Agir presta homenagem a Sara Carreira: "Quando ousas brilhar no meu céu"
Agir na Selfie
Agir e Catarina Gama na Selfie
André Ventura e Agir voltam a trocar farpas nas redes sociais

O cantor Agir não conseguiu ficar indiferente a uma mensagem ofensiva e decidiu partilhar um desabafo, recorrendo ao Instagram.

Através do Instagram, Agir tomou a decisão de expor uma mensagem ofensiva, sobre a aparência do cantor, de 33 anos.

"Honestamente, e sem querer ser insidioso, o aspeto do Bernardo Carvalho Costa é, no mínimo, repudiante. Está com péssimo aspeto. É compreensível que ele não se sinta bem com o corpo e com a aparência dele e se refugie nas tatuagens e nas drogas. Mas dá um péssimo exemplo às pessoas mais novas que o seguem. Ele deveria ser ajudado, urgentemente. Todos os sinais de uma pessoa perturbada, interiormente, estão lá", criticava a mensagem, citada por Agir.

Em resposta, o artista começou por sublinhar os "preconceitos e estereótipos" associados a este tipo de opinião: "Ele junta um problema de saúde mental com tatuagens e drogas. Quase como se uma pessoa, quando tem problemas de saúde mental, automaticamente, queira fazer tatuagens e claro que 'dá' nas drogas. Eu tive, realmente, uma fase mais boémia e mais maluca, quando era adolescente, e, curiosamente, nessa fase não tinha uma única tatuagem. Com 20 anos, abandonei essa vida maluca, porque - nada de super grave - tive aquilo que quem exagera um bocadinho nisso tem: ataques de ansiedade e de pânico."

"Desde essa altura, não toco num cigarro, num copo de álcool, numa ganza, em rigorosamente nada. Isto é irrelevante para o assunto, mas é curioso que, na altura em que vivia assim, e cometia alguns excessos, teria a imagem que esta pessoa acha que é a normal. Se calhar, se ele me visse na rua, ia achar que eu estaria super saudável, porque só me comecei a tatuar com 22, 23 anos", acrescentou.

Mais uma vez, Agir reforçou que ter tatuagens não deve estar obrigatoriamente associado a uma vida de excessos ou a problemas de saúde mental: "Acho que todos nós temos uma tatuagem ou, pelo menos, temos um amigo no grupo que tem tatuagens. Já todos sabemos que ter tatuagens não é sinónimo de 'dar' em drogas - o que não quer dizer que não possa acontecer, cada um saberá de si. Mas a parte mais grave disto é a parte da saúde mental. Acho que com a saúde mental não se brinca e não podemos associar, com esta leviandade, a saúde mental a coisas como tatuagens e afins."

No final do desabafo, Agir garantiu que se sente bem com ele próprio e com as tatuagens do cantor. "Têm de se sentir bem na vossa pele, seja com tatuagens ou sem tatuagens", rematou.

Veja, agora, o vídeo do desabafo de Agir.