urlvisit

Ljubomir Stanisic em greve de fome há mais de 24 horas: "Começamos a colapsar"

Com Lusa
Em greve de fome há mais de 24 horas, Ljubomir Stanisic desabafa: "Começamos a colapsar"
Já experimentou a receita de Arroz de Tamboril de Ljubomir Stanisic?
Receita de Crepes de Ljubomir Stanisic
Mangalitsa do Lucas com Batata de Milfontes, por Ljubomir Stanisic
Receitas de batata pelo chef Ljubomir Stanisic

O Movimento Sobreviver a Pão e Água, que junta empresários e trabalhadores da restauração e similares, apelou na passada sexta-feira, dia 27, a que o Presidente da República "interceda urgentemente a favor do setor", tendo alguns membros, incluindo o chef Ljubomir Stanisic, iniciado uma greve de fome.

Este movimento, que junta empresários e trabalhadores da restauração, bares, discotecas, cultura, eventos, alojamento e táxis, foi hoje recebido na Casa Civil da Presidência da República, e revelou que teve a oportunidade de "expor as suas ideias e propostas, solicitando ao Presidente [Marcelo Rebelo de Sousa] que interceda urgentemente a favor do setor".

"Sem respostas concretas e imediatas aos pedidos apresentados, e considerando a urgência de medidas que apoiem um setor que já há nove meses se encontra em agonia, e que, agora, com as novas restrições, entra numa fase ainda mais dramática, o Movimento não tem outra opção senão a de prosseguir esta luta", realça a nota.

Em representação do movimento, estiveram Ljubomir Stanisic, José Gouveia e Manuel Salema, e esta reunião "surgiu na sequência de um pedido de audiência" em 16 de novembro, "endereçado ao Sr. Presidente da República, mas também ao primeiro-ministro, Dr. António Costa, e ao ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Dr. Pedro Siza Vieira".

"Dos três pedidos enviados, apenas o email dirigido ao Gabinete da Presidência obteve resposta, concretizando-se hoje a audiência solicitada", destaca ainda o comunicado.

Para o movimento Sobreviver a Pão e Água, apesar de não ser responsabilidade do Presidente da República legislar, é "uma das suas funções chamar a atenção da Assembleia da República para qualquer assunto que, no seu entender, reclame uma intervenção do parlamento".

Desde a passada sexta-feira, em tendas instaladas em frente à Assembleia da República, alguns membros do movimento estão em greve de fome, incluindo Ljubomir Stanisic, "como forma de protesto e em solidariedade por todos aqueles que, neste momento, não têm já o que comer", pode ler-se.

"Pelos 43% de nós, empresas de restauração e similares, que ponderam avançar para a insolvência. Pelos 19% de nós, empresas de alojamento turístico, que ponderam fechar as portas. Pelos que ficaram pelo caminho. Pelos mais de 49 mil empregos perdidos no setor da restauração e hotelaria durante o terceiro trimestre de 2020. Por todos os que perderão o emprego, o sustento, a comida na mesa se as ajudas não chegarem já", refere-se, ainda.

No Instagram, Ljubomir Stanisic tem partilhado alguns momentos desta greve de fome. "Greve de fome. Até quando?", publicou o chef, nessa rede social, como legenda de um vídeo das manifestações junto da Assembleia da República. Ljubomir Stanisic publicou, ainda, um vídeo da página do Movimento, no qual se vê um dos manifestantes, visivelmente abalado. "Começamos a colapsar. Mas não vamos desistir!"

Recorde-se que a pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.433.378 mortos resultantes de mais de 60,9 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 4.276 pessoas dos 285.838 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

As medidas para combater a covid-19 paralisaram setores inteiros da economia mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou que a pandemia reverterá os progressos feitos desde os anos de 1990, em termos de pobreza, e aumentará a desigualdade.

O FMI prevê uma queda da economia mundial de 4,4% em 2020, com uma contração de 4,3% nos Estados Unidos e de 5,3% no Japão, enquanto a China deverá crescer 1,9%.

Para 2021, a organização com sede em Washington antecipa um crescimento da economia mundial de 5,2%, face a 2020.

Para Portugal, o FMI prevê uma queda de 10% em 2020, e uma recuperação de 6,5% para 2021.

Estas previsões diferem das do Governo português, que antecipa uma queda da economia de 8,5% este ano, e uma recuperação de 5,4% em 2021.

Já a Comissão Europeia prevê uma queda de 9,3% da economia portuguesa em 2020, e um crescimento de 5,4% no próximo ano.