urlvisit

Liliana Campos faz revelação sobre acidente: "Houve danos psicológicos que me marcaram para sempre"

Liliana Campos na Selfie
Liliana Campos viaja para as Maldivas
Liliana Campos submete-se a tratamento estético: "É muito eficaz"
As férias de Liliana Campos e Rodrigo Herédia nas Maldivas
Liliana Campos recorda peregrinações a Fátima

A apresentadora Liliana Campos recorreu ao Instagram para falar, pela primeira vez, sobre um acidente que lhe causou um "grande trauma".

Através do Instagram, Liliana Campos partilhou uma série de fotografias, na qual posa sobre uma mota. E a apresentadora, de 50 anos, aproveitou para recordar, na descrição, um acidente de viação que sofreu há uns anos.

"Hoje em dia, dou por mim cheia de receios que nunca pensei ter. A minha querida mãe estava toda a hora a dar-me conselhos que eu achava uma 'seca'. Aquilo que a mãe dizia não me fazia qualquer sentido, tudo era diferente do tempo em que a mãe era mais nova, não conseguia perceber que já vivíamos numa outra realidade e a verdade é que me achava mais esperta e mais expedita, sem medo de arriscar. Graças a Deus, a Carolina [sobrinha da apresentadora] não teve muito ou nenhum fascínio por motas, ao contrário de mim. A Mãe não dormia, quando eu saía à noite, nem de carro, mas, especialmente, de mota, porque também ela tinha tido a sua, em Angola, e tinha muito mais experiência do que eu", começou por contar Liliana Campos.

Entretanto, a comunicadora recordou o acidente que a marcou para sempre: "Não foi de noite, mas, sim, de dia, talvez a 30 km/ hora, que tive um acidente a caminho da praia, uma daquelas lá do fundo, ali na estrada da Costa de Caparica, num dia de muito trânsito. Um carro desviou-se para cima de mim. Hesitei. Desviei. Travei. E lá fui parar à vala."

"Houve danos, não tanto físicos, mas psicológicos que marcaram a minha vida para sempre. O trauma foi grande e, por isso, falei muito pouco, ou nada, sobre ele. É algo que vou ter de resolver, até porque, nos últimos anos, não há um único dia em que não pense como teria sido a minha vida, se não me tivesse 'baldado' daquela forma. Diferente de certeza e provavelmente muito mais feliz. Um dia, quando tudo cá dentro estiver resolvido, então terei essa coragem. Até lá, há um TPC que estou a fazer", acrescentou.

Mesmo com o trauma, Liliana Campos afirmou que continua a gostar de andar de mota, mas só como "pendura":  "Nunca mais consegui pegar numa mota, nem numa vespa sequer, mas não perdi o prazer de andar à 'pendura', quando confio em quem está a conduzir."

Veja, agora, as imagens partilhadas por Liliana Campos, na galeria de fotografias que preparámos para si.