urlvisit

Após morte do pai, Dália Madruga comove as redes sociais: "Meu primeiro amor"

Dália Madruga com a família na Selfie
Dália Madruga: "O Algarve ainda não está preparado para os portugueses"
Dália Madruga: «Eu acordo logo a falar, sou muito exaustiva»
Dália Madruga e Marcos Tenório Bastinhas na SELFIE
Dália Madruga celebra aniversário de casamento

A antiga apresentadora Dália Madruga despediu-se do progenitor, com um testemunho emotivo.

Foi esta sexta-feira, dia 13, que faleceu o pai de Núria e Dália Madruga. Constantino Silva morreu, aos 66 anos, vítima de cancro.

No Instagram, Dália Madruga comoveu os seguidores, ao partilhar uma carta de despedida para o progenitor. "Pai, não te digo adeus, nunca gostei dessa palavra, é demasiado encerrada em si própria. Prefiro dizer-te até já e garantir-te que aprendi contigo que, por maior que seja a provação, depende de nós ultrapassá-la", começou por afirmar a antiga apresentadora, na legenda de uma imagem do pai.

"Aos 50 [anos], quando tiveste o primeiro cancro, fiquei a admirar-te ainda mais, foi tão fácil, apesar daquela conversa dos médicos, do cenário negro que traçavam, tu conseguiste mostrar que nada é impossível e, apesar de algumas coisinhas, saíste vencedor. Como saíste agora. Para nós, és um campeão, lutaste de frente, nunca viraste a cara, mesmo quando parecia que estávamos a entrar nos minutos de descontos a perder, tu davas sempre a volta ao resultado. Ganhavas sempre", acrescentou Dália Madruga.

De seguida, a irmã de Núria Madruga descreveu a relação cúmplice que a ligava ao pai: "Meu primeiro amor, meu grande benfiquista, um avô extraordinário, apaixonado pelos netos, babado até mais não, o colo de avô que queríamos que os nossos filhos tivessem até serem adultos, podia dizer que perderam um pilar, prefiro pensar no que ganharam por terem podido ter um avô como tu. Tu, meu pai, meu amigo, meu confidente, aquele que mais se ria das minhas piadas tontas, que sempre me apoiou, mesmo quando não concordava, nunca nos puseste amarras, mas sempre soubemos que tínhamos chão onde cair, tu eras o chão. Agora, és o céu. Amo-te daqui até ao céu. Nunca fez tanto sentido. Amo-te, pai! Amo-te!".

Veja, agora, a imagem do pai de Dália Madruga, na galeria de fotografias que preparámos para si.