urlvisit

Júlio Isidro lamenta morte: "Esta praga parece um campo de batalha"

Júlio Isidro na Selfie
Júlio Isidro recorda peripécia com Teresa Guilherme
Quando Goucha foi confundido com Júlio Isidro
Júlio Isidro condecorado por Marcelo Rebelo de Sousa
Lançamento do livro "101 Histórias do Tio Julião para Fazer Oó", de Júlio Isidro

O apresentador Júlio Isidro deixou um desabafo, através das redes sociais.

Foi na passada quarta-feira, dia 3, que faleceu Adelaide João. Nas redes sociais, têm-se multiplicado as homenagens à atriz, prestadas por figuras públicas. Foi o caso de Júlio Isidro.

"'Pode dar-me um autógrafo? Gosto tanto de o ver trabalhar'. Foi com base nesta frase, que tanto conhecemos, que criei uma personagem para a Adelaide João integrar 'O Passeio dos Alegres' [programa da RTP, que Júlio Isidro apresentou, entre 1980 e 1982]. Passou domingos e domingos a entrar em cena e... desculpem se incomodo... a pedir autógrafos aos artistas que costumavam dar na TV", começou por escrever o apresentador, de 76 anos, na legenda de duas fotografias antigas, nas quais surge ao lado de Adelaide João.

Júlio Isidro aproveitou para recordar o percurso da atriz: "A Adelaide João era uma atriz e este convite foi uma honra para mim. Contudo, fazia este papelinho com um entusiasmo total, sem representar com exagero, e perguntava sempre, no final do programa, se tinha sido como eu desejava. A Lai Lai [alcunha carinhosa de Adelaide João] tem uma história de teatro, de televisão e de cinema que não passa, apenas, por umas gracinhas tipo 'Os Batanetes', embora tudo fizesse com igual profissionalismo. Estreou-se, em televisão, em 1960, com a peça 'Fim de semana em Madrid', sob a direção de Artur Ramos, esse mesmo ano em que apresentei o meu primeiro programa juvenil."

"Depois, foi o Teatro Nacional D. Maria II, o Teatro da Trindade, e a partida para Paris, com uma bolsa da Gulbenkian. Em França, trabalhando com companhias locais, aprendeu e apreendeu muito. De volta às origens, tem o seu nome ligado à primeira telenovela portuguesa, 'Vila Faia', em 1982, seguindo-se dezenas de outras. Passou e marcou no Teatro Experimental de Cascais, no Teatro Maria Matos, no Teatro Estúdio de Lisboa e no Bando, para onde entrou já com 69 anos e até à atualidade", acrescentou.

O apresentador frisou, também, outros trabalhos de Adelaide João no pequeno e grande ecrãs: "Voltou a trabalhar comigo no 'Festa é Festa' e no 'Antenas no Ar' [ambos são programas da RTP], nos quais fazia um telespetadora de gostos muito especiais. A ficha de cinema é um conjunto de trabalhos notáveis nacionais e estrangeiros, sob a direção de grandes realizadores. Faltavam sete meses para a Lai Lai perfazer 100 anos, que iria completar com aquele ar displicente de quem não liga a essa coisa sempre inoportuna que é a morte. A Lai Lai junta-se, agora, a amigos do seu quotidiano, na Casa do Artista, o colega da série 'Claxon' António Cordeiro, a cantora lírica Maria Andrea Gaspar, irmã de Mimi Gaspar, e os fadistas José Amaro e Noémia Cristina."

"Esta praga parece um campo de batalha, pejado de gente que devia estar entre nós... e vai estar, se a memória não nos falhar. Desta vez, era eu que gostava de pedir um autógrafo à Lai Lai, mas um dia, tarde ou cedo, irá acontecer. E dir-lhe-ei: 'Gostei sempre tanto de a ver trabalhar.'", completou.

Veja, agora, as imagens antigas de Júlio Isidro e Adelaide João, na galeria de fotografias que preparámos para si.