urlvisit

Júlio Isidro chora morte: "Navega, agora, na nossa saudade"

Júlio Isidro na Selfie
Júlio Isidro recorda peripécia com Teresa Guilherme
Júlio Isidro é surpreendido pelas filhas e mulher
Júlio Isidro condecorado por Marcelo Rebelo de Sousa
Lançamento do livro "101 Histórias do Tio Julião para Fazer Oó", de Júlio Isidro

O apresentador Júlio Isidro mostrou-se de luto, nas redes sociais, e aproveitou para deixar um desabafo que emocionou os seguidores.

Morreu este sábado, dia 20, Nini Remartinez, célebre cantora que fazia parte da primeira girlsband portuguesa, as Irmãs Remartinez.

No Facebook, Júlio Isidro prestou uma homenagem à artista, recordando o seu percurso profissional e pessoal. "Chamavam-lhe Nini, não sei se vestiu de organdi, mas era tecido do seu tempo. A época da Nini foi sempre o dia de hoje, quando, a caminho dos 105 anos de idade, a mais antiga, a única sobrevivente dos tempos gloriosos da rádio, nos disse adeus", começou por contar o apresentador, na legenda de duas fotografias antigas, na quais surge, sorridente, ao lado de Nini Remartinez.

"Nasceu Maria Carolina Remartinez Quilez de Matos de Freitas França, mas convenhamos que o diminutivo era mais ternurento e adaptável à altura da dona. Sempre foi pequenina no corpo e enorme na alegria de viver. Dizia de si própria que era azougada e até maluca para a época, mas o que palpitava naquele peito era um coração cheio de amor pela música e espetáculo. Também se dizia tímida, mas é dos tímidos que saem as grandes figuras das artes", descreveu Júlio Isidro.

O comunicador explicou ainda como se iniciou a carreira de Nini Remartinez, na música: "A Nini cresceu, o possível no pouco mais de metro e meio, e aprendeu piano e violoncelo, herdando da família, até à terceira geração, o culto dos sons. Amava o mar e perdia-se pelo prazer de cavalgar as ondas, só não tendo feito surf, porque ainda não se usava. Lá de fora chegavam às nossas telefonias as harmonias vocais das Andrew Sisters, fardadas da tropa, a cantarem para os soldados na Segunda Grande Guerra. Cá dentro alguém pensou: 'E porque não?' Foi o maestro António Melo quem desafiou Nini e a irmã Fernanda a formarem um duo feminino. Lá em casa, as duas ouviam os discos na grafonola, para tirarem as músicas e as letras da canções das Andrew Sisters, enquanto preparavam, afanosamente, o guarda-roupa para a estreia, tudo artesanato caseiro. Foi na Rádio Peninsular que, em 1941, se estreou a primeira girlsband portuguesa. Que sucesso a cantarem o 'Vira Viradinho', O 'Quem Casa Não Pensa' e até canções da América Latina, como 'Farolito' e 'Cielito Lindo'."

"Depois, foram contratadas pela Emissora Nacional, na qual fizeram programas como, 'Horas de Fantasia', 'Ouvindo as Estrelas' e os 'Serões para Trabalhadores'. Ganhavam bem, 300 escudos por programa, digamos que um euro e 50. Fizeram amizade e cantaram com Milú, a criadora da 'Minha Casinha', que os Xutos & Pontapés recuperaram, Maria da Graça, a 'brasileira', do filme 'O Pátio das Cantigas', no qual cantava a 'Camisa Amarela' e as famosas irmãs Meireles. Entretanto, casaram e a possibilidade de carreira internacional acabou, porque eles, repito eles, não deixavam. Estamos a falar da primeira metade do século XX, embora a Nini reafirmasse: 'Não estou nada arrependida de não viajar para o estrangeiro, por causa do meu amor.' Até hoje, sabia de cor quanto tempo esteve casada e quantos bons partidos recusou, porque só ele lhe tocou e mais ninguém", garantiu o comunicador.

Com o fim do duo - devido à morte da irmã de Nini Remartinez -, a cantora apostou numa carreira a solo: "Venceu o prémio de cançonetista no concurso de artistas ligeiros. Entrou para o coro feminino da Emissora Nacional e terminou a carreira no arquivo discográfico. Também foi eleita Miss Aeronáutica e até me prometeu oferecer-me o alfinete de peito com as asas que ganhou numa noite memorável. A Nini tinha uma notável memória do passado, mas de tudo, só lamenta não poder voltar a sentir as ondas do mar no corpo. Viveu feliz na Casa do Artista, aprendeu a navegar na Internet e no Facebook, ia aos espetáculos, na qual a levavam e encantava-se com a vida."

"Dizia que um dia se vai esquecer de respirar e, então, partirá para os braços do seu eterno mais que tudo. Aconteceu hoje. Nini Remartinez, que gostava que eu lhe chamasse namorada, porque a Sandra não era ciumenta, foi ver o mar. Vejo-a de mão dada com o seu único mais que tudo, a acenar trémula para os seus muitos amigos. No jantar de Natal do próximo ano, se Deus quiser, lá estarei na Casa do Artista, mas o lugar da Nini vai estar vago. Das ondas da rádio às do mar, navega agora na nossa saudade. A mais antiga cançonetista portuguesa, menina da primeira girlsband, Irmãs Remartinez, morreu! Perdi a minha namorada...", lamentou Júlio Isidro, no final da mensagem.

Veja, agora, as imagens partilhadas por Júlio Isidro, na galeria de fotografias que preparámos para si.