urlvisit
EXCLUSIVO

Acusado de agressão, Leandro garante: "Vou cobrar o que tiver de cobrar pelos danos causados"

Redação
Leandro na Selfie
Leandro: "Quem não deve, não teme. Eu não devo, portanto, não temo"
Após acidente de carro, Leandro mostra-se indignado: "Uma vergonha autêntica"
Leandro sobre trabalho nas obras: "Não tenho vergonha de sujar as mãos"
Leandro surge a trabalhar nas obras e afirma: "Eu sujo-me, eu dou o exemplo"

Em declarações, exclusivas, à SELFIE, Leandro comentou as notícias de que teria sido acusado de agredir uma mulher.

"Estão a dar a entender que houve uma agressão, o que é completamente mentira. Aconteceu uma situação, na minha loja, na qual não sou perdido nem achado", começou por explicar o cantor, antes de partilhar o que terá acontecido.

"Na semana passada, na terça-feira, entraram duas senhoras no meu espaço, que pediram o livro de reclamações da loja à minha mulher. Ela perguntou por que motivo é que estavam a pedir o livro de reclamações, visto que não as conhecia e nunca tinha tido contacto nenhum com elas. As senhoras, num tom muito agressivo, gritaram com ela a pedir, mais uma vez, o livro de reclamações e disseram que era 'por causa de uma empresa de construção'. A minha mulher disse: 'Mas este livro não tem nada a ver com uma empresa de construção civil, portanto, não lhe vou dar o meu livro de reclamações, quando o meu livro é de estética e não de construção'. Entretanto, as senhoras confrontaram a minha mulher, quase ao ponto de haver uma ação física. Não quiseram dizer quem eram, não se quiseram identificar, estavam na loja sem máscara, estavam a tentar, ao máximo, que houvesse ali uma agressão física. Estavam ali a fazer um filme, à frente dos clientes, e até foram chamadas à atenção pelos clientes da loja para saírem, porque estavam a ser muito mal educadas", contou o cantor.

Foi, então, que Leandro se terá dirigido para a loja: "Quando vou ter com as senhoras para lhes perguntar o que se passava, elas já estavam com um telemóvel na mão e a dizer: 'O quê? Não me digas que já me vens bater… Bates em mulheres, vais-me bater a mim, também?' E eu percebi, logo, que havia qualquer coisa que não estava a bater certo."

Só, mais tarde, veio a saber que a situação estaria relacionada com o sócio do cantor e com um episódio de trabalho mal resolvido no passado: "Existia uma situação pendente com o meu sócio, que nada tem a ver nem com a minha construção, nem com a loja. Nada tem a ver com os nossos negócios atuais, é uma situação que já vinha do passado.

"Elas foram tentar procurar o meu sócio, na minha loja, mas já levando a ideia do género 'ele é uma figura pública, se o outro não me pagar, quem me vai pagar é o outro, porque vai passar vergonhas e eu vou arranjar um grande problema ali'. Entretanto, eu convidei as senhoras a saírem de dentro da loja e elas começaram a fazer-me frente, até que uma delas tenta tirar-me a bolsa, levar-me os meus documentos, começa aos empurrões, vai contra o meu balcão e deita-me aquilo para o chão. Vão para o chão, vão contra o chão. Depois, foram para a rua, aos gritos, a dizer que eu as agredi, para tentar criar ali uma situação de difamação", explicou o cantor, que já entregou o caso às autoridades competentes.

"Já fiz uma queixa-crime e já fui fazer uma queixa por difamação e por tudo o que está a acontecer. Quem não deve, não teme. Eu tenho as imagens que comprovam, mais uma vez, o que estou a dizer. A senhora apenas se apercebeu de que eu era o sócio de quem ela procurava e tentou ir à loja arranjar uma confusão para eu pagar uma dívida que nem sequer era minha e que nada tinha a ver comigo. A senhora, agora, vai ter de suar muito para pagar a indemnização que vou pedir", garantiu Leandro.

A propósito do episódio do passado, em que foi acusado de violência doméstica pela ex-namorada, o cantor recordou: "Eu já fui julgado, durante muito tempo, por causa de violência doméstica e, depois, veio a absolvição e a condenação das outras pessoas, mas as revistas não escreveram nada sobre isso. Durante muito tempo, eu era a pessoa má, mas, quando realmente saiu a sentença final e quando se comprovou que eu era inocente, esqueceram-se de pôr que o artista tinha sido inocente e que as outras pessoas foram condenadas. As figuras públicas estão expostas a estas situações, mas há que perceber a verdade das coisas. Eu não devo nada a ninguém e o que esta senhora foi fazer foi tentar resolver um assunto que era dela e do meu sócio, que nada tinha a ver com a minha empresa de construção ou com a minha empresa de estética. Esta senhora tentou aproveitar-se da minha fama, para tentar ter o que lhe é devido ou que não é devido, porque eu, aí, já não sei. Eu nem sequer quero saber desse assunto, eu quero saber é que esta senhora invadiu propriedade privada. Independentemente de qualquer coisa, eu tenho o meu estabelecimento como propriedade privada. É mais um processo em tribunal, que vai durar o tempo que tiver que durar, mas eu vou para a frente e vou cobrar o que tiver de cobrar, pelos danos causados por estas senhoras, dentro da loja, mas, também, pelos danos que isto está a causar na minha carreira."

Também através das redes sociais Leandro publicou um vídeo, no qual sublinhou: "Quem não deve, não teme. Eu não devo, portanto, não temo."