EXCLUSIVO

Susana Dias Ramos recorda convite para o "Big Brother": "Sentia-me desmembrada pela perda do meu pai"

A SELFIE conversou, em exclusivo, com Susana Dias Ramos. A psicóloga, que volta a integrar o painel de comentadores do "Big Brother", falou sobre a importância do convite, numa altura particularmente difícil, pela morte recente do pai.

"O convite para comentar a edição anterior foi uma surpresa com a qual não contava, mas apareceu numa altura da minha vida em que precisava mesmo muito de fazer algo diferente de tudo o que já tinha feito. Emocionalmente, sentia-me desmembrada pela perda recente do meu pai, que era um absoluto fã meu e que me acompanhava, sempre, às rádios e televisões, fosse qual fosse o horário. Há alguns anos, afastei-me dessa vida mais mediática para constituir família e, agora, sem coincidências, que não acredito nelas, voltei ao mesmo corre-corre... Sim, não esqueçamos que eu vivo no Porto! Não pensei que esta aposta fosse acontecer, assim com esta naturalidade, mas estou mesmo muito feliz! Espero que esta parceria dure bons e longos anos! Não conhecia ninguém que fizesse parte do projeto, antes da edição anterior, por isso... tentei fazer um bom trabalho, como continuarei a tentar. É a única coisa que posso prometer. Uns dias, estaremos todos de acordo, outros, nem por isso", começou por afirmar Susana Dias Ramos.

"Receber este segundo convite foi absolutamente delicioso, fiquei muito contente e lisonjeada. Desejava bastante fazer parte deste projeto, mas entendia que a 'concorrência' era bastante forte, o painel de comentadores envolvia, também, pessoas que estavam em outros programas, e tudo era uma incógnita, portanto, quando recebi uma mensagem, cheia de bom humor, a sugerir que iria continuar, fiquei eufórica! Dizia: 'Tenho visto as saudades que tens do Big Brother... não tenhas, que vai haver mais'. No final de agosto, recebi o convite formal. A primeira pessoa a quem contei foi ao meu marido, seguido, logo, da minha mãe. E, depois, bico calado, que não podia partilhar essa informação", continuou a psicóloga.

Sobre a nova edição do "Big Brother", adiantou, apenas, "que o casting foi fantástico". Já sobre o regresso de Teresa Guilherme ao formato, confessou: "Tenho muita curiosidade em conhecê-la. Sou fã do trabalho dela. É uma comunicadora de excelência e, bem ou mal, a verdade é que temos, sempre, tendência a colar o seu nome a estes formatos... pelos menos, as pessoas mais antigas como eu! Foram muitos anos. E sempre com uma classe e sabedoria muito características."

A propósito do painel de comentadores, que, nesta edição, conta com a estreante Fanny e os repetentes Pedro Crispim e Marta Cardoso, Susana Dias Ramos sublinhou: " Acho que me identifico com todos, à sua maneira e dependendo dos dias! Na edição anterior, concordei e discordei, várias vezes, com as mesmas pessoas, por isso, desde que haja respeito, leveza e humor, os choques vão ser uma lufada no programa. Se todos tivéssemos as mesmas opiniões era muito aborrecido. Acho que a Fanny vai trazer opiniões diferentes, mas, acima de tudo, muito sinceras. Acho que, sem dúvida, é uma mais valia, porque já passou pela experiência, diversas vezes! E isso é uma realidade que nós só podemos achar e imaginar."

O mediatismo e as críticas, nas redes sociais, também não são problema para a psicóloga: "Gosto de críticas construtivas, aliás, tenho, sempre, o cuidado de responder a essas. Aproveitava as viagens para o fazer. Quanto às palermices, acho só triste as pessoas terem tanta falta de respeito por elas próprias, porque, na realidade, todos os comentários dizem mais a respeito da pessoa que os faz do que sobre quem os recebe!"

Antes de voltar à televisão, Susana Dias Ramos desfrutou, ainda, de uns dias de férias, como contou à SELFIE: "Fui até ao Algarve, pela primeira vez, em pleno agosto. Não posso dizer que tenha ficado fã, mas como o tempo, a norte, está terrível, foi uma decisão rápida. Desfrutei da minha família, que é o meu bem mais precioso. Nos outros dias, fiquei por casa, a ler, escrever, ver televisão, cozinhar, que adoro, dar uns mergulhos, na piscina, com o meu filho, namorar..."

Quanto ao trabalho paralelo à televisão, a psicóloga não esconde que tem sido "duro, muito duro": "Com as idas a Lisboa, tudo acabou por se acumular. E, agora, vai piorar drasticamente. Além das consultas, que são cada vez mais, tenho uma clínica, que já não é pequena, para gerir, tenho as publicações semanais na Top e as mensais na Lux Woman... Mas gosto da vida assim, com sabor a vida!"

Emocionalmente, para este ano, e "para os próximos 20 anos", espera, apenas, que "não haja novidades": "As do ano passado deixaram-me sem estrutura para mudanças..."