urlvisit

Alice Vieira, Jorge Palma e António Variações condecorados por Marcelo Rebelo de Sousa

Com Lusa
Jorge Palma dá concerto na redação da TVI
A estreia mais aguardada do ano «Variações»
Ana Arrebentinha "telefona" a Marcelo Rebelo de Sousa: "Até me arrepiei"
Marcelo Rebelo de Sousa convida influencers para o Palácio de Belém
Florbela Queiroz condecorada por Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou, na passada terça-feira, dia 17, a escritora Alice Vieira e os músicos Jorge Palma e António Variações, o último a título póstumo, anunciou a Presidência da República.

Alice Vieira, de 77 anos, jornalista e escritora, foi distinguida como Grande-Oficial da Ordem da Instrução Pública, condecoração que reconhece "altos serviços prestados à causa da educação e do ensino".

Em mais de quatro décadas de escrita, Alice Vieira publicou poesia e romance para adultos, mas é no universo infantojuvenil que a situam, com várias dezenas de livros, entre os quais Rosa, minha irmã Rosa; Úrsula, a maior; Viagem à roda do meu nome; e Meia hora para mudar a minha vida.

Na cerimónia de condecoração, realizada na passada terça-feira, dia 17, no Palácio de Belém, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa considerou Alice Vieira "uma figura constante e decisiva da cultura portuguesa", cuja obra, "com clareza e pertinência jornalísticas", chegou a "inúmeras gerações de leitores".

Em 1997, Alice Vieira foi condecorada com a Ordem do Mérito, no grau de comendadora, pelo, então, Presidente da República, Jorge Sampaio, juntamente com outras 31 personalidades femininas, no âmbito do Dia Internacional da Mulher.

Jorge Palma foi condecorado comendador da Ordem do Infante D. Henrique, num ano em que celebrou o 70.º aniversário e os 45 anos da edição do primeiro álbum, "Com uma viagem na palma da mão" (1975).

No passado mês de setembro, Jorge Palma recebeu a medalha de mérito cultural da Câmara de Lisboa, no final de um concerto em que celebrou os 70 anos. Na altura, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que estava na assistência, subiu ao palco para dizer que, atribuída esta distinção pela autarquia, seguir-se-ia "a homenagem nacional".

Na passada terça-feira, dia 17, o Presidente da República descreveu Jorge Palma como "um caso raro em Portugal: um compositor-intérprete admirado pelos colegas, amado pelo público, demasiado célebre para o papel de génio obscuro, demasiado genuíno e rebelde para ser um músico previsível e formatado".

António Variações foi condecorado, a título póstumo, também como comendador da Ordem do Infante D. Henrique, tendo a distinção sido recebida por Jaime Ribeiro, um dos irmãos.

Sublinhando esta "justíssima homenagem comunitária", Marcelo Rebelo de Sousa recordou "a capacidade quase única de conjugar a tradição e a modernidade".

"Soube trazer a novidade, o cosmopolitismo de Londres e Amesterdão, à ousadia e provocação que lhe eram tão queridas", disse o chefe de Estado.

Arrojado e irreverente, influenciado pelo fado, pela música popular e pelo pop rock, António Variações, barbeiro de profissão e artista de vocação, morreu, aos 39 anos, em junho de 1984, deixando apenas dois álbuns editados e várias canções que se inscrevem na história da música pop portuguesa, como "Canção do engate", "O corpo é que paga" e "Estou além".

A vida e a obra musical de António Variações deram origem a uma peça de teatro, a um filme de ficção, biografias, exposições, espetáculos e um álbum de reinterpretações, pelo projeto Humanos.

Nos discursos de agradecimento, destaque para Jorge Palma, que partilhou a distinção com "todos aqueles que, na área da Cultura, tanto de si têm dado e que, sobretudo, neste momento de aflição [em contexto de pandemia] continuam a esforçar-se por dar".