urlvisit

Cláudio Ramos: "O 'Somos Portugal' é um programa tão merecedor de me ter ali como foi o 'Big Brother'"

Cláudio Ramos na SELFIE
Recorde o vídeo de apresentação de Cláudio Ramos no "Big Brother", há 18 anos
5 coisas que ninguém sabe sobre Cláudio Ramos
Os looks de Cláudio Ramos no "Big Brother"
Cláudio Ramos na gala do "Big Brother"

Através de um texto, publicado no blogue "Eu, Cláudio", Cláudio Ramos respondeu às centenas de mensagens que tem vindo a receber, desde que se juntou ao leque de apresentadores do programa "Somos Portugal".

"Estreei-me, há semanas, no ‘Somos Portugal’ e se recebi muitas manifestações de satisfação por me verem lá, também, recebo, de muita gente, críticas, porque consideram que este formato não 'é para o Cláudio que deixou a SIC', que 'o Cláudio não o devia fazer', que 'é descer de cavalo para burro!'. Devo dizer que desde que acabou a minha edição do 'Big Brother', todos os dias recebo centenas (não estou a exagerar), centenas de mensagens de seguidores, espetadores, pessoas que apreciam o meu trabalho e às quais agradeço, respeito, mas com muitas não concordo e explico: televisão é televisão", começou por escrever.

"E, para mim, só há dois tipos de televisão: a boa e a má. O 'Somos Portugal' é um programa, aos meus olhos, tão merecedor de me ter ali, como foi o 'Big Brother', ou qualquer outro formato, com o qual me identifique. O 'Somos [Portugal]’' tem quase dez anos e por ali passaram grandes companheiros de trabalho, numa equipa esforçada, que mostra um país inteiro, através do ecrã. Para mim, fazer o 'Somos Portugal' não só é um trabalho de apresentação de que gosto, porque aprecio o formato – e já o tinha dito antes de imaginar um dia fazê-lo – como é, talvez, do mais próximo que temos das pessoas que nos vêem", continuou.

"[...] Animamos o domingo de quem nos vê e que, tantas vezes, não tem a possibilidade de ver o Portugal onde vive, de outra forma. O 'Somos [Portugal]' é uma janela aberta para o país e eu estou, agora, dentro dela, com a maior satisfação. Não gosto, por isso, que alguém sequer pense que o faço porque não tenho mais nada para fazer. [...] É importante, também, dizer que, de tão exigente que é, nem todos os profissionais conseguem fazer bem um 'Somos Portugal'. É assim que deve ser visto e não de outra forma. Quando a televisão é feita de verdade, nota-se nos olhos de quem a faz e sente-se no encanto de quem a recebe, por isso, de todas as vezes que fiz o programa, recebi muitas manifestações de alegria", acrescentou.

No fim, Cláudio Ramos concluiu o discurso mostrando, uma vez mais, que a qualidade de um programa depende do profissionalismo de quem o faz: "Boa televisão é feita por bons profissionais, estejam eles a descer uma escadaria iluminada, ou em cima de um fardo de palha. O 'Somos [Portugal]' é um belíssimo formato, com belíssimos profissionais. E eu estou na equipa sempre que entenderem que devo estar! Era isto que queria deixar claro."