urlvisit

Rosa Villa recorda passado ligado às drogas: "Pensas que não prestas para nada"

Rosa Villa na SELFIE
Rosa Villa: do sucesso ao consumo de drogas
Rosa Villa: «E aí surgiu uma situação: a cocaína»
A história de amor de Rosa Villa e António Feio: «Ainda hoje me toca»
Rosa Villa: «Se não conseguisse, eu matava-me»

Rosa Villa voltou a recordar o período em que lutou contra a toxicodependência e as consequência que a adição teve na carreira da atriz.

Três meses depois de ter estado à conversa com Manuel Luís Goucha, no programa "Goucha", Rosa Villa voltou a recordar o passado ligado às drogas, desta vez, no formato "Casa Feliz", na SIC.

"Chegas a um ponto em que já não consegues esconder e baixas os braços e entregas-te a quem possa cuidar de ti e ajudar-te a tratar desse problema que é a adição. É uma doença grave da qual as pessoas não têm noção", começou por dizer a atriz Diana Chaves e João Baião.

"As pessoas acham que é o bêbado ou o drogado. Não! A adição é uma doença, que pode ser de drogas ou de álcool, mas pode ser de outra coisa, como comida ou jogo. Há muitas formas de adição, mas a dos consumos é, realmente, muito complicada", assumiu Rosa Villa.

De seguida, a atriz recordou, ainda, a forma como consumia estupefacientes para se sentir confiante. "Sou uma pessoa muito ansiosa. Hoje em dia menos, porque, também, aprendi a conhecer-me. Depois há as tuas fragilidades, não te convidam para trabalhar e pensas que não prestas para nada... Isto era tudo uns 'se' na minha cabeça horríveis. [...] É uma luta interior e começas a apoiar-te na adição, porque te solta. Ficas mais solto, encaras a vida de outra forma. Claro que é uma primavera [instantânea], porque, depois, o inverno é tenebroso. E passei por fases muito complicadas, mesmo. Fiz tratamentos", afirmou Rosa Villa, antes de confessar que, ainda hoje, coloca em prática o que aprendeu na reabilitação.

No final, Rosa Villa garantiu: "Foi muito trabalho interno que fiz. Hoje, sinto-me uma mulher mais feliz!"

Recorde, agora, os vídeos com a passagem de Rosa Villa pelo programa "Goucha".

Caso esteja a sofrer de algum problema psicológico, tenha pensamentos autodestrutivos, ou sinta necessidade de desabafar, deverá recorrer a um psiquiatra, psicólogo ou clínico geral, podendo, ainda, contactar uma das seguintes entidades:

- Conversa Amiga (entre as 15h e as 22h) - 808 237 327 (número gratuito) e 210 027 159

- SOS Voz Amiga (entre as 16h e as 24h) - 213 544 545

- Telefone da Amizade (entre as 16h e as 23h) – 228 323 535

- Telefone da Esperança (entre as 20h e as 23h) - 222 030 707

- SOS Estudante (entre as 20h e a 1h) - 239 484 020