urlvisit

Após gala do "Big Brother", "Pipoca Mais Doce" alerta para preconceitos: "Quando ameacei sair, não o fiz por birra"

"A Pipoca Mais Doce" celebra 40 anos
Ana Garcia Martins: «Se não acontecer nada, provavelmente, esta é a minha última gala»
Ana Garcia Martins sobre Joana: «Encerra em si um conjunto de preconceitos»
Joana Diniz lança farpas a Pedro Crispim: «Acha-se cantor mas não canta nada»
Os looks de "A Pipoca Mais Doce" para as galas do "Big Brother - A Revolução"

Ana Garcia Martins recorreu às redes sociais para deixar uma reflexão sobre a última gala do "Big Brother - Duplo Impacto", defendendo a luta contra os preconceitos. Um texto que lhe valeu os aplausos de várias centenas de internautas.

A autora do blogue "A Pipoca Mais Doce", depois de ter assinalado o comportamento homofóbico de alguns concorrentes do "Big Brother - Duplo Impacto, escreveu um texto, nas redes sociais, sublinhando a importância de reagir aos preconceitos de uma sociedade. Ana Garcia Martins acabou por ser muito aplaudida e elogiada pela "coragem", por parte de inúmeros seguidores, inclusive, figuras públicas, como Rita Ferro Rodrigues.

"Há uns tempos, corria uma campanha aqui pelo Instagram, em que várias figuras públicas se assumiam como 'preconceituosos em desconstrução'. Uns diziam ser machistas, outros homofóbicos, outros racistas, e explicavam porquê. Estamos a falar de pessoas muito conhecidas e que, de uma forma geral, todos vemos como tolerantes, bem formadas e incapazes de perpetuar qualquer tipo de preconceito. [...] Por mais que não queira, percebo que há pequenos gestos ou pensamentos que fazem com que, também eu, tenha a minha dose de preconceito. Tem a ver com o nosso percurso, a forma como crescemos, o que fomos ouvindo, uma data de condicionantes históricas, sociais e culturais. Mas sempre que percebo isso, tento contrariá-lo, e acho que é isso que nos faz evoluir, preferencialmente para melhor. Tenho a certeza de que continuo a ter alguns preconceitos enraizados, mas, também, tenho a certeza de que são muito menos do que há uns dez, quinze ou vinte anos, porque me esforço para ser melhor", começou por escrever.

"Quando alguém diz que prefere ser mulherengo do que gay, quando alguém diz que um gay é só 'mais ou menos homem', isso é preconceito. E ambas as situações aconteceram no 'Big Brother'. E não podem ser escamoteadas com um 'estavam só a brincar, não disseram por mal', porque, mesmo que até seja verdade, o preconceito está lá. E a maldade, também. E quando se relativiza e se deixa passar, estamos só a ser coniventes e a permitir que mais alguém seja enxovalhado pela sua orientação sexual. Quando, ontem, ameacei sair, não o fiz por birra. Fi-lo para marcar uma posição e defender uma causa. Pedi que houvesse, pelo menos, uma admoestação e - apesar do pedido de desculpas miserável - a admoestação aconteceu. E o assunto foi falado e gerou debate e mexeu com as pessoas, que, também, é o que se quer num programa destes. Porque acredito que a tal desconstrução (a minha e a dos milhares que assistem ao BB) também passe por isto. Vamos aos poucos. Obrigada pelo vosso apoio", concluiu.

Recorde-se que "Pipoca Mais Doce" fez questão de assinalar os comentários de teor homofóbico por parte de alguns concorrentes da casa, que afirmarem, em tom jocoso, durante um jogo, que Pedro Crispim não seria "um homem". Um momento que deu muito que falar, nas redes sociais, e que deixou muitos internautas revoltados, inclusive, figuras públicas, como Luís Borges.

Ana Garcia Martins chegou mesmo a dizer que aceita ser criticada, mas que nunca teceu comentários homofóbicos ou xenófobos: "Muitos dos concorrentes entraram com a missão de fazer dos comentadores bode expiatório e os culpados de tudo o que eles fazem dentro da casa. [...] Nós limitamo-nos a assinalar o que eles fazem de bom e de mau e não somos nós que agimos por eles, mas entraram com essa missão, e tudo bem, estou há 17 anos nas redes sociais e já fui ofendida de tudo o que possam imaginar [...] e podem acusar-nos de tudo, enquanto comentadores, podem acusar-nos de sermos injustos, parciais, corrosivos, sarcásticos... não podem dizer é que os julgamos com base na cor, na raça, na orientação sexual, isso nunca aconteceu, portanto, do outro lado, acho que isso, também, não pode acontecer e aconteceu, ontem."

Foram ditas coisas muito graves em relação a um comentador, ao Pedro Crispim, isso foi muito comentado nas redes sociais e acho que isso não pode passar impune. Se estes concorrentes que participaram nisto, nomeadamente, Joana Diniz, Rui Pedro, Teresa, e, de forma, direta ou indireta, Helena Isabel, se não houver nenhum tipo de sanção, ou se não forem admoestados de alguma forma, no que me toca a mim, vai comprometer o meu futuro, enquanto comentadora", sublinhou.

(Re)veja, agora, as imagens.