Rita Pereira defende uso das redes sociais: "Servem para nos darmos a conhecer enquanto seres humanos"

Rita Pereira: "As redes sociais servem para me defender de notícias falsas"
Os looks de Rita Pereira no "Dança Com As Estrelas"
Rita Pereira em fúria com a imprensa
Rita Pereira apresenta Lonô aos cães
Saiba quem é o padrinho do filho de Rita Pereira

Rita Pereira e Miguel Sousa Tavares estiveram no "Jornal das 8" para comentar as vantagens e os perigos das redes sociais, por ocasião dos 15 anos de existência do Facebook.

"É importante estar nas redes sociais para nos darmos a conhecer enquanto seres humanos e não apenas personagens. As pessoas só me vêm como personagem. É importante que o público saiba quem eu sou enquanto pessoa, porque também é por causa do público que eu tenho a vida que tenho. É quase uma forma de gratidão eu também lhes dar um bocadinho da minha vida pessoal", afirmou, convicta, a atriz e apresentadora da TVI, que garantiu que "há 15 anos era impossível" defender-se dos media: "Eles podiam criar a pessoa que eles quisessem que é a Rita Pereira na imprensa e eu não tinha como me defender".

Com mais de um milhão de seguidores no Instagram, Rita Pereira acredita que nas redes sociais pode construir a sua própria imagem e que é o lado genuíno que faz com que a legião de fãs continue a crescer.

Mais cético em relação ao uso das redes sociais, Miguel Sousa Tavares considerou que Rita Pereira não precisa daquele meio para se dar a conhecer e acrescentou: "As redes sociais são a maior ameaça à imprensa livre. De duas maneiras: primeiro porque desviam as pessoas da imprensa, segundo porque publicam notícias falsas [...] E terceiro: porque pessoas como a Rita atraem a publicidade dirigida, através dos produtos, etc… e a publicidade dirigida é, hoje em dia, a principal fonte de publicidade. Essa publicidade está a sair dos órgãos de comunicação habituais e está a levá-los à falência".

Perante o comentário de Miguel Sousa Tavares, a atriz fez questão de salientar: "Nós, também, enchemos os órgãos de comunicação normais. [...] E vão buscar às minhas redes sociais aquela matéria da qual estão a falar. Portanto, eu também os ajudo a vender mais. Com a fotografia que eu quero e com as palavras que eu quero. Hoje em dia, 90% do que eu leio, sobre mim, vem das minhas redes sociais". 

Já para Miguel Sousa Tavares expôr o lado privado é "impensável". "Quando comecei a trabalhar em televisão, entendi que a parte principal que eu tinha de defender é a da privacidade. Isso é o que eu defendo ferozmente. Ao contrário da Rita, eu pago o que for preciso para que ninguém saiba quem eu sou fora daqui", assegurou o jornalista, o que levou Rita Pereira a assegurar que não mostra tudo: "Ninguém viu a cara do meu pai, da minha mãe ou da minha irmã".

De seguida, Miguel Sousa Tavares questionou a necessidade de colocar online tudo o que se faz: "A pessoa vai de férias. Por que tem de publicar no Instagram 'Olhem eu aqui na Jamaica a tomar banhos de praia?' O que é que eu tenho a ver com isso?". 

Rita Pereira garantiu ter o direito de publicar o que bem entender, com o comentador a reagir: "Claro que vocês têm o direito, e claro que há um público para isso. Quando alguém exibe alguma coisa é porque há alguém que gosta de ver. De um lado, chama-se exibicionismo, desculpe que lhe diga, do outro chama-se voyeurismo".

No final da conversa, Rita Pereira garantiu a Pedro Pinto que pretende continuar a apostar nas redes sociais, deixando ainda no ar um novo objetivo: "Conseguir levar o Miguel para as redes sociais".

Veja o vídeo com o debate, na íntegra.