Conta-me

Margarida Rebelo Pinto comove-se, ao falar sobre o pai: "Faz-me falta. Ele era demais"

A escritora Margarida Rebelo Pinto teve uma conversa emotiva com Manuel Luís Goucha, no programa "Conta-me", e comoveu-se, ao recordar o pai.

Margarida Rebelo Pinto abriu o coração, numa entrevista concedida a Manuel Luís Goucha. Nessa conversa, a escritora, de 57 anos, falou sobre a forma como encara os momentos mais difíceis.

"Só partilho as minhas tristezas, quando elas já estão resolvidas. Por exemplo, quando o meu pai morreu, fiquei muito contemplativa. Cerca de três semanas depois, escrevi um artigo sobre isso. Cerca de seis meses depois, fui ao teu programa, falar sobre isso. Era quando já estava resolvido", começou por destacar Margarida Rebelo Pinto.

Ao recordar essa entrevista, a escritora sublinhou uma frase que referiu, nessa conversa com Manuel Luís Goucha: "Lembro-me de te ter dito que o luto muda de cor todos os dias. E é verdade... Vai mudando, até ficarem só aquelas recordações mais extraordinárias."

Entretanto, Margarida Rebelo Pinto comoveu-se com uma questão de Manuel Luís Goucha. "Se fosses jantar, hoje, com o teu pai, o que lhe dirias?", quis saber o apresentador. Quase de lágrimas nos olhos, a escritora respondeu: "Falava sobre o meu último livro e sobre o Lourenço [filho de Margarida Rebelo Pinto] e como ele é parecido com ele. E como os dois netos rapazes são parecidos com ele. Em termos de caráter, de postura, de respeito pelas mulheres."

"O meu pai faz-me falta. Para conversar, para me dar conselhos, para rirmos. Ele era demais", confessou, mesmo no final da entrevista.

Veja, agora, a entrevista de Margarida Rebelo Pinto, concedida ao programa "Conta-me".

Relacionados