urlvisit

Internado há uma semana, príncipe Philip irá permanecer hospitalizado. Saiba porquê!

com Lusa
Príncipe Philip, duque de Edimburgo, na Selfie
Príncipe Philip sofre acidente de automóvel
Rainha Isabel II na SELFIE

O Palácio de Buckingham informou que o príncipe Philip, marido da rainha de Inglaterra, Isabel II, irá permanecer internado num hospital privado de Londres, onde foi admitido na semana passada, devido a uma "infeção".

A Casa Real britânica avançou detalhes sobre a hospitalização do Duque de Edimburgo, que ocorreu na passada terça-feira, dia 16, à noite. "O Duque de Edimburgo vai permanecer no Hospital King Edward VII", informou o Palácio de Buckingham, num comunicado.

A mesma nota da residência oficial da rainha Isabel II acrescentou que o príncipe, de 99 anos, "está a receber tratamento médico devido a uma infeção".

"Está confortável e a responder ao tratamento, mas não é expectável que saia do hospital durante os próximos dias", acrescentou o comunicado.

Recorde-se que, na semana passada, já tinha sido assegurado que o estado de saúde do Duque de Edimburgo não estava relacionado com o novo coronavírus.

Na passada quarta-feira, dia 23, o Palácio de Buckingham indicou que a hospitalização do príncipe Filipe, que irá celebrar 100 anos no próximo dia 10 de junho, tinha ocorrido por "precaução" devido a uma indisposição.

O príncipe Eduardo, o filho mais novo da monarca britânica, afirmou, em declarações ao canal britânico Sky News, que o pai "estava muito melhor", após uma semana de internamento e que estava desejoso para ter alta hospitalar.

O príncipe Philip, também designado por Duque de Edimburgo, retirou-se das funções públicas em 2017 e raramente aparece em público.

Durante a atual pandemia, o duque tem estado a viver no Castelo de Windsor, a oeste de Londres, acompanhado da rainha Isabel II, com um grupo restrito de empregados, para reduzir o risco de transmissão do novo coronavírus.

Recentemente, foi divulgado que o casal real recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid-19, em janeiro, uma vez que integra o grupo prioritário de pessoas com mais de 85 anos.