Internacional

Meghan Markle faz acusações de racismo: "Havia preocupações sobre quão escura seria a pele [de Archie]"

Durante a entrevista concedida a Oprah Winfrey, Meghan Markle afirmou ter sentido racismo na forma como era tratada por alguns membros da família real.

Meghan Markle, de ascendência afro-americana, destacou que alguns membros da família real demonstraram preocupação sobre o tom de pele de Archie. "Houve várias preocupações e conversas sobre o quão escura seria a pele dele quando nascesse", contou a ex-atriz.

A Duquesa de Sussex disse, também, que o Palácio de Buckingham se recusou a conceder proteção à criança e que os membros da instituição consideraram que Archie não devia receber um título de nobreza, embora fosse essa a tradição.

O casal desmentiu, assim, a notícia veiculada quando o filho nasceu, de que este não era príncipe. Meghan Markle assegurou que eram "eles" - a família real - que "não queriam que ele fosse príncipe ou princesa, ainda sem saberem qual o sexo do bebé."

"O título mais importante que, alguma vez, terei é ser 'mãe'. Mas a ideia de o nosso filho não estar seguro e, também, a ideia de que o primeiro membro de cor desta família não pode ser titulado da mesma forma que os outros netos...", lamentou a ex-atriz.

Apesar de não ter a certeza sobre se a cor da pele esteve na base desta decisão, Meghan Markle revelou que, para um membro da família - que não identificou -, a possibilidade de o menino nascer com a pele mais escura era uma preocupação: "Eram conversas que a família tinha com ele [Harry]".

O príncipe Harry confirmou a situação: "Na altura, foi embaraçoso, fiquei um pouco chocado."

O Duque de Sussex lamentou, também, que a família real não tivesse tomado uma posição pública contra o que ele via como uma cobertura racista por parte de alguma imprensa britânica.

Além disso, o príncipe Harry garantiu que nunca mentiu à rainha Isabel II em relação ao desejo de se afastar da família real. "Nunca enganei a minha avó, tenho demasiado respeito por ela", afirmou, contando que telefonou à avó, três vezes, antes de anunciar, oficialmente, a decisão.

O filho mais novo da falecida princesa Diana disse que, também, tentou falar com o pai, o príncipe Carlos, mas sem sucesso: "Ele deixou de atender as minhas chamadas."

"A minha maior preocupação era que a história se repetisse. E estava a ver a história a repetir-se", afirmou o príncipe Harry, aludindo à trágica morte da mãe, a princesa Diana, sublinhando que só conseguiu tomar a decisão de sair da família real com a ajuda da mulher: "Estava encurralado dentro do sistema."

"O meu pai e o meu irmão estão encurralados. Não podem sair, e eu tenho uma enorme compaixão por isso", acrescentou o Duque de Sussex, mostrando-se desiludido com o progenitor: "[Sinto-me] dececionado, porque ele já passou por algo semelhante, sabe como é a dor... e o Archie é neto".

Já sobre o irmão mais velho, o príncipe William, o príncipe Harry recordou que os dois passaram por um inferno, juntos. "Mas estávamos em caminhos diferentes", sublinhou.

Recorde-se que, depois de Meghan Markle ter revelado que sofreu um aborto, em julho do ano passado, o casal prepara-se para ser, novamente, pai, desta vez, de uma menina, conforme contou a Oprah Winfrey, durante a entrevista.

Relacionados