Internacional

Robinho condenado a 9 anos de prisão por violação sexual

O futebolista brasileiro Robinho foi condenado, na terceira e última instância da Justiça italiana, por violação sexual coletiva de uma jovem

com Lusa
Robinho
Robinho

Robson de Souza, conhecido como 'Robinho', foi condenado a nove anos de prisão pelo Tribunal de Cassação, em Roma, juntamente com Ricardo Falco, amigo do jogador e que, também, foi condenado no mesmo caso.

O crime foi cometido, em 2013, numa discoteca de Milão.

Na audiência, que ditou a sentença final e que durou cerca de 30 minutos, os recursos dos advogados de defesa foram recusados.

Como se encontra no Brasil, o jogador não será preso em Itália, de acordo com a rede Globo, que salienta que a justiça italiana poderá pedir para que o Brasil faça a extradição dos dois brasileiros, para que cumpram a pena no país europeu.

Contudo, a Constituição Federal do Brasil também proíbe a extradição de brasileiros nascidos no país sul-americano, embora, eventualmente, as autoridades dos dois países possam chegar a um acordo para o cumprimento da pena em território brasileiro.

Robinho, ex-jogador do Real Madrid, Manchester City e AC Milan, foi sentenciado em 2017 a nove anos de prisão por um tribunal de Milão pela alegada participação numa violação sexual coletiva contra uma jovem de 23 anos, de origem albanesa.

Segundo investigação do Ministério Público, Robinho, Falco e outros quatro brasileiros praticaram violência sexual de grupo contra a vítima, que foi embriagada por eles e, já inconsciente, levada para o camarim do estabelecimento, onde foi violada várias vezes. Por terem deixado Itália durante a investigação, os outros quatro homens não puderam ser notificados, e o caso deles foi retirado do processo.

O veterano internacional brasileiro, de 37 anos, afirma ser inocente e que o sexo foi consensual com a mulher.

A acusação foi baseada no depoimento da vítima e em conversas telefónicas, intercetadas com autorização da Justiça italiana, incluídas como provas no processo.

No meio de toda a polémica, o portal GloboEsporte publicou as transcrições das conversas telefónicas que a Justiça italiana usou para condenar Robinho, em que o jogador de futebol afirmou que não estava "nem aí" para a situação, porque "a mulher estava completamente bêbeda".

Relacionados