Nuno Markl fecha de vez página de Facebook: "É uma sensação maravilhosa"

Igor Pires
A reacção de Nuno Markl à polémica que envolve Sofia Ribeiro
Vídeo: beijo na boca entre Nuno Markl e Bruno Nogueira leva fãs às lágrimas... de tanto rir
Nuno Markl: "Decidi entrar na aula de ginástica em cuecas"
A viagem de Nuno Markl à China
Nuno Markl na Selfie

O radialista Nuno Markl tomou esta decisão, após ter lido posts "carregados de ódio, de ignorância, de negrume".

Nesta sexta-feira, dia 11, Nuno Markl informou os seguidores do Instagram que tomou a decisão de encerrar a página de Facebook. O radialista enumerou os motivos para se ter afastado de vez dessa rede social.

"A minha relação com o Facebook começou bonita, azedou, ficou em standby e nos últimos tempos eu era apenas um 'lurker'. Tinha a conta, mas não a usava activamente, ia só ler. Nos últimos tempos percebi que só o mero acto de espreitar o que ali se passava dava-me a volta à tripa", começou por explicar Nuno Markl.

O, também, humorista afirma que foi o ódio de alguns posts que determinou a saída do Facebook: "Posts de presumíveis 'amigos' carregados de ódio, de ignorância, de negrume. Em poucos minutos vi malta que me segue a partilhar uma petição anti-Joacine [Katar Moreira, deputada do Livre] por ela ser anti-patriota e uma crónica absurda sobre como ter animais de estimação é sinal da grave doença social do país. Podia ter só apagado a app, mas ainda assim estaria a fazer parte de uma coisa que, cada vez mais, representa tudo aquilo que não sou, nem quero ser".

"E por isso foi hoje. Desta vez não foi uma pausa, não deixei o estaminé vazio. Peguei num bulldozer e mandei abaixo o estaminé. Apaguei a minha conta de vez. O Facebook deixou de existir para mim, hoje, e é uma sensação maravilhosa", termina Nuno Markl.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A minha relação com o Facebook começou bonita, azedou, ficou em standby e nos últimos tempos eu era apenas um “lurker”. Tinha a conta, mas não a usava activamente, ia só ler. Nos últimos tempos percebi que só o mero acto de espreitar o que ali se passava dava-me a volta à tripa. Posts de presumíveis “amigos” carregados de ódio, de ignorância, de negrume. Em poucos minutos vi malta que me segue a partilhar uma petição anti-Joacine por ela ser anti-patriota e uma crónica absurda sobre como ter animais de estimação é sinal da grave doença social do país. Podia ter só apagado a app, mas ainda assim estaria a fazer parte de uma coisa que, cada vez mais, representa tudo aquilo que não sou, nem quero ser. E por isso foi hoje. Desta vez não foi uma pausa, não deixei o estaminé vazio. Peguei num bulldozer e mandei abaixo o estaminé. Apaguei a minha conta de vez. O Facebook deixou de existir para mim, hoje, e é uma sensação maravilhosa.

Uma publicação partilhada por Nuno Markl (@nunomarkl) a