urlvisit

Cláudio Ramos reage à última gala do "Big Brother": "Acho graça que digam que tenho favoritos"

Os looks de Cláudio Ramos no "Big Brother"
A divertida imitação de Rita Pereira que até o próprio Cláudio Ramos aplaudiu
Recorde o vídeo de apresentação de Cláudio Ramos no "Big Brother", há 18 anos
Cláudio Ramos na gala do "Big Brother"
Acompanhámos um dia de trabalho de Cláudio Ramos

Como já é habitual, Cláudio Ramos recorreu às redes sociais para comentar a passada gala do "Big Brother". Desta vez, respondeu às críticas de que foi alvo.

Sem papas na língua, o apresentador decidiu responder aqueles que o atacaram pela "falta de imparcialidade" ou "favoritismo", esclarecendo que não tem concorrentes favoritos e não os trata de forma diferente.

"A fotografia é de ontem. Ontem foi particularmente difícil fazer a gala pela circunstância que todos vivemos, e a família TVI em particular. Ainda assim, fiz o que tinha a fazer. Como sempre faço ou tento fazer. O melhor que sei! Tirar dos meus ‘magníficos’ como lhes chamo, o melhor da semana para que se tornem estrelas de uma gala. Faço-o com todos, variando o tom, a pergunta, ou a brincadeira, consoante o seu desempenho na semana e a pensar sempre no melhor que podem dar ao programa", começou por escrever, lembrando a notícia que abalou o país e o mundo da telvisão, com a morte do ator Pedro Lima.

Em seguida, comentou as críticas de que foi alvo: "Acho graça que digam que tenho favoritos a vencer e que são tratados com privilégios. Acho graça, mas não posso levar em conta porque, aos olhos dos fãs de uns e outros, já preferi a Sónia, o Diogo, a Jéssica, o Pedro, a Soraia, o Guerreiro, o Monteiro, a Teresa, a Noélia, a Sandrina, a Ana Catarina ... só para falar dos que ainda estão dentro da casa. Muitas vezes, quando se entra num programa destes, o jogo acontece dentro e fora da casa. Eu vivo intensamente o que acontece lá dentro. Todas os dias, muda o jogo e a qualquer hora - como se tem visto - muda o foco. Favoritos não tenho, mas tenho duas coisas que são importantes quando se faz um formato destes a sério: todos os concorrentes são iguais e têm o direito de ser ‘puxados’ por mim ao limite, para darem o que Eu sei que podem dar em prol do jogo".

"Depois, cá fora, tenho a imensa capacidade de relativizar quem entende menos do assunto, mas está convencido do contrário. Já vos tinha dito, o 'Big Brother' assemelham-se a um grande derby de futebol. Todos gostavam de ser treinadores, capitães de equipa ou jogadores. Não sendo, são comentadores virtuais. Entre eles, há os bons, os mais ou menos e os maus, que avaliam tudo e se esquecem que se um derby é um derby, o Big Brother é um programa de televisão onde, pelos vistos, muitos gostavam de ser seus redatores. Isto, a avaliar pelos ‘filmes que lhes passa pela cabeça!’ O que os ‘sabe tudo’ não se deram conta ainda é que no jogo, que acontece fora da casa, não se defende um concorrente atacando outros. Não é bonito na vida. Não fica bonito no jogo!", concluiu.