CAPRICÓRNIO - 2 de Copas

"Amor - a partida que a natureza nos pregou para assegurarmos a continuação da espécie" - Somerset Maugham.

O amor pode ser belíssimo, pode fazer-nos renascer das cinzas, pode curar mazelas profundas. Qual amor? O próprio. Só o amor-próprio consegue curar as nossas mazelas. O amor dos outros pode ajudar, claro, mas é o nosso que nos salva de uma vida comum ou extraordinária. E quando falo de vida extraordinária não quer dizer que tenhamos de viver experiências grandiosas, não, nada disso! Uma vida extraordinária é aquela em que tudo fazemos por nós para depois contribuirmos para o coletivo. Isso faz-se no dia a dia, no sorriso no momento certo, no abraço, no silêncio de um olhar carregado de ternura… Os nossos gestos - muito mais do que as palavras - podem fazer toda a diferença num momento delicado nosso ou de outrem. 

O amor puro é quase inexistente nos dias de hoje, é quase inalcançável, porém, contra tudo e contra todos, ele continua a existir! 

Às vezes, até achamos que amamos, só que, quando ele se transforma num pesadelo, percebemos que nos enganámos. Não era amor. Era carência, solidão e afins.

Nós, seres humanos, frágeis e inseguros, criamos ilusões com uma facilidade inacreditável, porque não damos atenção aos sinais de alerta que sentimos, porque queremos criar uma imagem perfeita de alguém ou de uma relação, como se isso existisse.

A convivência traz o desencanto, porque, afinal, o príncipe, a princesa… tem defeitos! Imagine-se! A situação não é igual aos contos de fadas!

Os contos de fadas constroem-se com o nosso amor, respeito, tolerância e dedicação. Uma relação harmoniosa cria-se com tempo, não nasce espontaneamente. Isso só existe no nosso imaginário. Faz sentido? Vamos aplicar na prática?

Está na altura ideal para fazer uma sessão comigo. Encontra-me aqui no Tarot de Ísis By Vera Xavier.

Já me acompanha no Instagram?

Últimas

Mais Últimas

Mais Lidas

Patrocinados