urlvisit

Centenário do nascimento de Amália Rodrigues passa a fazer parte do calendário da UNESCO

com Lusa
Obras originais de Amália Rodrigues ganham nova e surpreendente vida
Arturito da série "La Casa de Papel" surpreende a cantar fado de Amália Rodrigues

A UNESCO associou-se às comemorações do centenário do nascimento de Amália Rodrigues, reconhecendo-a como fadista, compositora e atriz, a dando uma "dimensão mais ampla" à cantora portuguesa, com a inscrição da data no seu calendário.

O apoio ao centenário da fadista foi dado na semana passada, com a aprovação pelo Conselho Executivo da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), da inscrição da comemoração do centenário do nascimento de Amália, no calendário de aniversários que a organização vai apoiar entre 2020 e 2021.

"A UNESCO não dá apoio financeiro, não é isso que estamos à procura. O que estamos à procura é de um reconhecimento que a UNESCO dá através da sua reputação e da possibilidade de conseguir que estas comemorações tenham uma dimensão mais ampla", disse António Sampaio da Nóvoa, embaixador de Portugal na UNESCO, em declarações à agência Lusa.

A proposta recebeu o apoio inicial de vários Estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa, mas também de Espanha e França, e a aprovação foi unânime.

Não só o perfil internacional de Amália foi importante para esta aprovação, mas também o facto de o fado ter sido reconhecido em 2011 como Património Imaterial da Humanidade pela UNESCO, como relatou o embaixador português.

Amália da Piedade Rebordão Rodrigues nasceu em Lisboa, no dia 23 de julho de 1920, e morreu em 06 de outubro de 1999, estando sepultada no Panteão Nacional, desde 08 de julho de 2001.