Nuno Markl condena a "maldade" de Maria Vieira no Facebook

Nuno Markl: "Decidi entrar na aula de ginástica em cuecas"
Maria Vieira «ataca» Salvador Sobral

Nuno Markl recorreu às redes sociais para se mostrar desiludido, e triste, com alguns dos últimos comentários polémicos de Maria Vieira.

"No Facebook da Maria Vieira, um dos seus fãs, num indescritível acesso de pura e inadulterada maldade (aquilo a que os anglo-saxónicos chamam EVIL, não há outra palavra melhor) comenta a terrível execução da Marielle Franco dizendo: 'A mesma que impediu a polícia municipal de andar armada para sua defesa. Temos pena, shit happens, menos uma esquerdalha a consumir oxigénio'", começou por explicar.

Apesar dos ideais políticos do locutor da Rádio Comercial não serem os mesmos de Maria Vieira, Nuno Markl defendeu que, neste caso, o problema centra-se na "maldade" da eterna "parrachita" e não em questões políticas: "Mesmo que eu fosse de direita, eu apagava isto e expulsava imediatamente este tipo da minha página. Eu ficaria embaraçado de ter entre os meus seguidores um tipo capaz de se regozijar com uma execução cobarde de uma pessoa que foi para a luta com ideias e foi destruída por balas. A Maria - e, caraças, o quanto eu estimava a Maria, há uns anos - respondeu apenas “ela foi vítima dos seus próprios disparates. E depois, no insulto supremo a várias inteligências (incluindo a sua própria) remata: 'Ainda assim eu lamento a morte dela'. Tarde demais. Uma coisa é ser de direita, outra é ser de uma inominável maldade que não pertence a nenhuma ideologia. Isto nem sequer é ser 'politicamente incorrecto'. Isto é só ser mau".

"Dirão: mas para quê dar atenção à Maria Vieira? Precisamente porque a conheci, e, durante muitos anos, ela não era isto. O meu problema não é ela ter virado à direita - conheço muito boas pessoas de direita. O meu problema é isto. É a normalidade de dialogar com alguém que celebra uma execução com um “bem feita, menos uma”. [...] Ela agora vive lá e vive feliz, aparentemente. E isso, para quem a conheceu e trabalhou com ela, é profundamente triste", concluiu.