Viciado no "Game Of Thrones", Manuel Luís Goucha confessa ter pesadelos com a série

Goucha revela que tem um vício
Descubra que evento juntou Carla Bruni, Pedro Abrunhosa e Manuel Luís Goucha
Manuel Luís Goucha na primeira aula de condução
Manuel Luís Goucha na Selfie
Já conhece os animais de Manuel Luís Goucha?

Manuel Luís Goucha recorreu ao blogue pessoal para se confessar "viciado" na série que tem agarrado telespectadores no mundo inteiro, "Game Of Trones".

O apresentador decidiu falar sobre a série - cuja oitava e última temporada tem data de estreia para esta segunda-feira, dia 15 - no blogue "O Cabaré do Goucha". Intitulado de "Viciado me confesso", o texto foi, também, falado, durante o programa da manhã "Você Na TVI".  

"Tenho a certeza que muitos milhares de portugueses me compreendem se eu disser que os Stark, os Targaryen, os Lannister, os Greyjoy… passaram enquanto personagens a fazer parte do meu dia-a-dia. É coisa recente diga-se, que só há vinte dias comecei a ver a série de que meio mundo fala ('Guerra dos Tronos'), vejam só quantos anos levo de atraso. Nunca fui muito de me agarrar a séries, que isto esperar uma semana por cada episódio dá conta da minha ansiedade [...]", começou por escrever.

"Espicaçado agora por tanto reclame à temporada que hoje estreia como sendo a última de toda a saga, pus-me a ver o primeiro dos sessenta e seis episódios até aqui exibidos e compilados em sete temporadas. E não é que em pouco mais de duas semanas só me faltam dezasseis para me pôr a par! Logo me deixei apanhar, de modo obsessivo, pela qualidade da escrita, pela trama, pelas interpretações, pela produção (dizem-me que envolvendo dez milhões de dólares por cada episódio. Só pode!), pelos efeitos especiais, por tudo e mais alguma coisa", continuou.

"Aquilo entranha-se de tal forma que até me esqueço que é ficção. Sanguinária, como nunca vi, não dá para nos afeiçoarmos a personagem alguma, que todas elas, ou quase, têm acabado degoladas, estropiadas, decepadas, decapitadas, esventradas (acho que esgotei as palavras acabadas em “adas” relacionadas com as piores safadezas), a série agarra-nos visceralmente a ponto de não se querer parar de ver. Dou comigo pregado à cabeceira da cama, tal a violência da maior parte das cenas (até agora nenhuma outra supera o choque sentido com a do casamento vermelho, verdadeira sangria), exausto no momento de apagar a luz, com pesadelos durante o sono … mas no dia seguinte lá estou a querer mais. É vício do qual só me vou libertar quando a série terminar de vez. Eu sei que me compreende", concluiu.

Assista, ainda, ao vídeo.