"Conta-me Como És": Paula Neves confessa que a infertilidade "é uma prova de fogo para qualquer casal"

Conta-me como és - Fátima Lopes entrevista Paula Neves
Paula Neves abre o coração a Fátima Lopes em "Conta-me Como És"
Paula Neves protagoniza campanha contra o tabagismo
As personagens mais marcantes de Paula Neves
As férias de Paula Neves em Nova Iorque

Paula Neves deu uma entrevista emotiva a Fátima Lopes onde revelou os maiores segredos e medos e nem o drama da infertilidade ficou fora da conversa.

Sem pudores, a atriz da TVI assumiu que sofre de "um desequilíbrio emocional" e revelou, ainda, como lidou com o drama da infertilidade. "Fazia sentido termos filhos, há 10 anos começámos a tentar, era natural. Não vieram, começou a ser estranho não virem. Ficámos num limbo, de ser estranho ou de irmos procurar ajuda. Começámos a pensar na idade, até que fomos procurar e ver o que se passava. Entrámos no mundo da infertilidade, nenhum dos dois aguentou, e percebemos que não era para nós, nem para um nem para o outro. Saímos de lá. Sem filhos, juntos até ao fim", contou Paula Neves referindo-se ao marido, Ricardo Duarte, com quem está casada há 14 anos. 

Para a atriz da novela "Jogo Duplo", a infertilidade "é uma prova de fogo para qualquer casal" e descobrir essa limitação é entrar "num mundo de sofrimento". "É um mundo de tal modo complicado que o teu desejo de ser mãe tem de estar mais alto do que o sofrimento que vais encontrar ali e o nosso não estava", afirmou Paula Neves no decorrer da entrevista em que se emocionou ao falar do marido: "Sempre tive o sonho deter um afeto duradouro, mas sempre achei que não tinha nem características nem capacidade para o ter".

A atriz, de 41 anos, que ficou conhecida como a "Trinca Espinhas" da novela "Anjo Selvagem", falou ainda sobre a importância do marido no equilíbrio emocional. "O meu marido leva com os dois lados, o doce e o bicho. Acho que sou querida para os outros, porque, a maior parte das vezes, eu escondo o bicho. Quando ele está cá fora, ou estou a tomar ansiolíticos ou estou fechada em casa, porque não é um bicho sociável que possa estar com muita gente à volta, então protejo-me", assumiu Paula Neves que lida com o problema há anos: "Assim que acordo, percebo logo como me sinto, tomo um ansiolítico e fico afinadinha, é uma beleza".

Paula Neves referiu ainda como é conciliar este problema de saúde com a profissão. "Quando estou a trabalhar, é mais difícil de controlar, não quero estar sempre a tomar compridos, tento calar-me mais e ele vai embora sozinho. Eu tenho uma bolha de manhã, em que estou calada e ele vai embora sozinho. Este bicho vem de um desequilibro emocional", sublinhou. 

Não se esqueça de ver o vídeo da entrevista na íntegra.