Tânia Ribas de Oliveira faz desabafo sobre quarentena: "Há silêncios mais pesados"

Tânia Ribas de Oliveira na Selfie
Tânia Ribas de Oliveira celebra aniversário do irmão
«Um forte aplauso para Tânia Ribas de Oliveira»
Tânia Ribas de Oliveira apresenta livro
Tânia Ribas de Oliveira celebra data especial no Alentejo

A apresentadora Tânia Ribas de Oliveira partilhou, ainda, alguns conselhos para quem não está a encarar este período de isolamento da melhor forma.

Na noite de sexta-feira, 27 de março, Tânia Ribas de Oliveira fez uma reflexão sobre a quarentena que inúmeras famílias portuguesas estão a passar neste momento, para evitar a propagação de coronavírus.

"Há isolamentos mais difíceis do que outros. Há casas com varanda, com terraço, com jardim e até com piscina. Há T1 e T2 com muita gente dentro, com famílias numerosas em metros quadrados reduzidos. Pior: há famílias felizes e famílias menos felizes. E isto tudo, confinado a um espaço fechado, tem tudo para não ser fácil. Não romantizemos a quarentena, muitas vezes não há por onde. Tentemos, antes (e a esta hora, em que a maioria das crianças está a dormir) olhar para as coisas com olhos de ver. Isto tem de ser. Não é uma opção. Todos temos saudades dos nossos e da vida livre de antes. As crianças têm saudades dos amigos. Os meus filhos querem jogar à bola com uma equipa maior, como jogavam diariamente na escola, aos fins de semana e sempre que possível. Hoje, jogam um com o outro. E também com o pai. E também com a mãe. Com o pai e a com a mãe que também têm de organizar a casa para que nada falte e para que tudo mantenha a normalidade possível. E a mãe trabalha de segunda a sexta, está fora de casa das 14h às 18h. As famílias reinventam-se diariamente!", começou por escrever a apresentadora, de 43 anos, num texto partilhado no Facebook.

Tânia Ribas de Oliveira confessou, ainda, que a sua quarentena tanto tem momentos mais leves, como outros, de "silêncios mais pesados": "Cá em casa, sinto que a nova rotina foi estabelecida há uns dois dias... e há momentos simples, leves, de risos e gargalhadas. E há silêncios mais pesados, porque todos nos estamos a adaptar a este mundo novo. Sem lugares comuns: não é fácil, mas é possivel. Para a minha família, é menos mau: temos amor, temos saúde, temos espaço (não tendo um jardim, vá...)".

"Mas fica a minha palavra sentida para todas as pessoas que me lêem e que me escrevem e que vivem momentos diários de puro desespero - 3 pontos: os nossos filhos não têm culpa de nada disto (e nós também não, é certo) e temos o dever de os proteger e tentar compreender (as crianças nem sempre pedem ajuda com palavras). 2: isto vai passar 3: tenha amor no coração para si e para os seus. O Amor é tudo o que nos resta, tudo o que conta. E, se eventualmente se sente sozinho, tenha amor próprio, dando a si mesmo momentos de música, de leitura, de cinema, de culinária. Conte até 10, ou até 500. Beba um copo de vinho. Relaxe. Daqui a nada, isto vai ser apenas uma memória e o mundo não vai voltar a ser o mesmo. Se quer que lhe diga, acho que vai mudar para melhor", termina a apresentadora, com um tom otimista. 

Veja, agora, algumas das melhores imagens de Tânia Ribas de Oliveira, nas galerias de fotografias que preparámos para si.